Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

O elo entre Bumlai e Adir Assad

Por Da Redação 24 nov 2015, 10h37

A cada dia, a Polícia Federal e os procuradores da força-tarefa da Lava Jato jogam luz no intrincado esquema de pagamento de propina e camuflagem de dinheiro que irrigou o propinoduto na Petrobras. A quebra do sigilo bancário das empresas do grupo do empresário Adir Assad, velho conhecido da Justiça e condenado a pouco mais de nove anos no escândalo do petrolão, mostram, por exemplo, que a São Fernando Açúcar e Álcool fez duas transferências de 1 milhão de reais cada, em julho e agosto de 2011, para a Legend Engenheiros Associados Ltda, usada por Assad para lavar a propina da Petrobras. O caso já havia sido revelado por VEJA. O dono da usina São Fernando é José Carlos Bumlai, o compadre do ex-presidente Lula que tinha acesso livre ao Palácio do Planalto, atuava como uma espécie de tutor dos filhos do petista na área dos negócios e que foi preso na 21ª fase da Operação Lava Jato nesta terça-feira. Segundo os investigadores da Lava Jato, as empresas São Fernando Energia I Ltda e São Fernando Energia II Ltda., controladas por Bumlai e seus familiares tiveram um “vertiginoso aumento de capital” desde sua constituição, em 2009. A propósito, a São Fernando Energia I Ltda. conseguiu um empréstimo milionário do BNDES mesmo tendo na época apenas sete funcionários. (Laryssa Borges, de Brasília)

Leia também:

Amigo íntimo de Lula é peça-chave do petrolão

Publicidade