Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O ambicioso projeto de Lira independentemente de quem ganhar a eleição

Presidente da Câmara tenta novo mandato de deputado para pavimentar manutenção de poder em Brasília – com Lula ou Bolsonaro

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
30 set 2022, 21h16

Em busca do quarto mandato de deputado federal, o todo-poderoso presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) trocou a luxuosa residência oficial onde mora em Brasília para se lançar pelas ruas de diferentes cidades de Alagoas, do sertão à capital. Com uma camisa polo, calça jeans e sapatos confortáveis, ele dança passinhos de funk e de arrocha, balança os dedos indicadores para cima – uma referência ao número 11, do seu partido -, e não economiza os abraços nos eleitores durante os atos eleitorais. Um esforço tremendo, para quem conhece o estilo mais sisudo do deputado alagoano.

A dedicação à campanha embute dois planos: garantir um novo mandato parlamentar e, assim, pavimentar o caminho para a reeleição ao comando da Câmara. A primeira meta parece mais simples de ser alcançada. Já a segunda passa por variáveis que podem dificultar o projeto.

Expoente do centrão, Lira conta com o apoio de Jair Bolsonaro para se reeleger – o presidente gravou um vídeo para a campanha no qual se refere ao deputado como “enorme parceiro nosso em muita coisa”. A Lira é creditado, por exemplo, o mérito pela redução no preço dos combustíveis e do aumento do valor do Auxílio Brasil. Em 2021, na disputa pela Presidência da Câmara, o alagoano também obteve o apoio de Bolsonaro e de seus aliados mais próximos, e é esperado que a parceria se repita no caso de uma eventual reeleição do presidente da República.

Aliados de Lira garantem que ele mantém o projeto de seguir no comando da Câmara mesmo se Bolsonaro perder e o ex-presidente Lula sair vitorioso nas urnas. Nesse caso, porém, mexem-se algumas peças, deixando o cenário mais incerto e complexo. É esperado que o PT aposte em um nome diferente para a presidência da Casa e pulverize as candidaturas – em 2021, a legenda se aliou ao MDB na disputa. Apesar de próximo a Bolsonaro, Lira jamais desfez pontes com a esquerda durante o seu mandato, reforçam interlocutores do presidente da Câmara. Além disso, ninguém nega que o centrão deve se dobrar a Lula – e vice-versa – em nome da governabilidade, e um acordo ser feito para a distribuição de cadeiras em ministérios e no Congresso.

Continua após a publicidade

A seu favor, Lira conta com a chave do cofre bilionário das emendas de relator – o chamado orçamento secreto, que Lula garante que vai acabar –  para despejar a deputados até o início da próxima legislatura. Além disso, o deputado também tem em suas mãos uma cadeira no Tribunal de Contas da União (TCU), disponível em razão da aposentadoria da ministra Ana Arraes e cuja indicação cabe à Câmara. No final de agosto, o deputado alagoano chegou a anunciar a sessão de votação para o sucessor da ministra Ana Arraes, mas acabou estrategicamente decidindo deixar o pleito para depois da eleição.

O anúncio do adiamento foi feito durante reuniões em separado com líderes da base e da oposição na residência oficial. Após o encontro, um deputado oposicionista disse a VEJA que o presidente da Câmara, que já prometeu a cadeira para pelo menos três parlamentares, deve usar a vaga no TCU para “compor” com a esquerda e garantir a reeleição no comando da Casa, no caso de uma vitória de Lula. À boca miúda, há quem diga até que o próprio Lira poderia admitir disputar a cadeira no TCU, abrindo espaço para algum outro nome se candidatar à presidência da Câmara – possibilidade que interlocutores do presidente tratam como “sem cogitação”.

Se o plano sair conforme o esperado, Lira deve alçar voos ainda mais altos nas próximas eleições. Em 2026, garante um importante colega do presidente da Câmara, ele deve cruzar a fronteira entre os salões do Congresso e tentar uma cadeira no Senado Federal.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.