Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

‘Nunca fui terraplanista’, diz ex-presidente da Funarte

Demitido por Regina Duarte, Dante Mantovani acusa a secretária de conversar "só com a esquerda" e relativiza declarações polêmicas

Por Maria Clara Vieira Atualizado em 11 mar 2020, 09h58 - Publicado em 10 mar 2020, 20h55

Desde que assumiu a presidência da Fundação Nacional de Arte (Funarte) em dezembro do ano passado, o maestro Dante Mantovani não foi poupado de suas próprias declarações polêmicas. Em um vídeo de seu canal do YouTube que veio à tona após a nomeação, o músico, aluno do ideólogo de direita Olavo de Carvalho, afirma que o “rock leva às drogas, que levam ao aborto, que leva ao satanismo”. Uma postagem de seu Facebook na qual satirizava os “terrabolistas” (termo jocoso usado por pessoas que creem que a Terra é plana para se referir aos que acreditam na ciência) também apareceu. Na última semana, o maestro estava entre os seis “olavetes” exonerados pela nova secretária, Regina Duarte, medida que a tornou alvo de ataques na internet. Nesta terça-feira 5, Mantovani falou a VEJA.

Como o senhor recebeu a notícia de que havia sido demitido da Funarte? Fui a Brasília para a posse da secretária Regina Duarte, como presidente de uma fundação vinculada à pasta. Cheguei lá e descobri que meu nome não estava na lista. Recebi uma ligação do Ministério da Cidadania e soube que seria exonerado no dia seguinte.

Recebeu alguma justificativa? Nenhuma. A pessoa que me ligou só disse que houve uma mudança de administração. Há meses eu tentava entrar em contato com a secretária para compartilhar os planos para a Funarte e nunca fui recebido. Era mais fácil conversar com a oposição.

A que o senhor atribui a demissão? Eu sou um bolsonarista histórico, estou nas ruas com o presidente desde 2014. Nunca estive preocupado em fazer guerra ideológica, ao contrário dos recém-nomeados. Isso deve ter incomodado a secretária, que parece ser avessa ao diálogo.

Convidar pessoas que não são governistas para a secretaria não é ser aberta ao diálogo? Conversar é uma coisa. Colocar o inimigo para dentro, gente que vibrou quando o presidente tomou a facada, é outra. Acho que um governo conservador deve ter funcionários com uma postura alinhada à do presidente. A senhora secretária só promove diálogo com a esquerda.

Indicados pela nova secretária têm experiência na área da cultura. É preciso que sejam “de direita”? Essas pessoas são militantes ideológicos, inimigos declarados do presidente Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Os ataques à secretária não são excessivamente truculentos? Quem recebeu ataques truculentos fui eu. Tentaram me pintar como um louco, enquanto fiz uma gestão técnica do início ao fim. É ela é quem está tentando promover um linchamento.

Não são os “olavetes”? Não. Eu sou amigo do professor Olavo, fui aluno dele. Quando Regina Duarte diz que há facções na secretaria, está nos comparando a criminosos. Nós ficamos muito ofendidos com a fala e reagimos.

Suas declarações associando rock às drogas e ao satanismo não te descredenciam como um gestor técnico? Essa fala foi tirada de contexto. Eu estava explicando para meus alunos o que acontece no cérebro humano quando é estimulado pela música, tudo isso de acordo com o livro de um psiquiatra francês. Ele argumenta que o rock causa uma reação análoga ao uso de drogas dentro do cérebro. O resto eram impressões minhas. No final da minha gestão, inclusive, nós estávamos preparando um edital para bandas de garagem.

E a fala sobre a terra plana? Nunca falei que a terra é plana, aquele print foi fabricado.

O senhor tomou medidas legais a respeito? Não fui atrás disso porque tinha mais o que fazer. O presidente Bolsonaro me pediu para trabalhar, e não para criar polêmica.

O que foi entregue, afinal? Nós começamos a colocar em prática o projeto das orquestras sociais em alguns estados. Também começamos a reconstrução dos espaços físicos da Funarte e lançamos o primeiro programa nacional de apoio a ópera. Gastamos mais de 5 milhões de reais na compra de instrumentos de coreto e trabalhamos para a integração de deficientes. Todos esses projetos serão interrompidos.

Na época da sua nomeação, o senhor foi associado ao seu antecessor, Roberto Alvim. A demissão dele foi justa? Foi. Aquele vídeo com referências ao nazismo foi muito infeliz. Fiquei muito irritado com ele porque uma das bases mais importantes do governo sempre foi a comunidade judaica. Ele jogou trevas em todo o nosso trabalho e penso que a saída dele foi suficiente para pacificar as coisas. Não é necessário uma Regina Duarte.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade