Clique e assine a partir de 9,90/mês

No Twitter, Janot ironiza prisão de amigos de Temer: “Começou?”

O ex-procurador da República, que denunciou o presidente da República por duas vezes, comentou a prisão de José Yunes, aliado do presidente

Por Estadão Conteúdo - 29 mar 2018, 11h26

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que deixou o cargo em setembro do ano passado após quatro anos de mandato e duas denúncias apresentadas contra o presidente Michel Temer (MDB), usou o Twitter na manhã desta quinta-feira para comentar a operação que prendeu, entre outros investigados, o advogado, amigo pessoal e ex-assessor do presidente, José Yunes. Ao citar uma notícia relatando a operação, Janot ironizou: “Começou? Acho que sim”.

Ao longo do ano passado, Janot denunciou Temer em duas oportunidades com base na delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista e demais executivos da J&F. Ambas foram barradas pelos parlamentares que dão sustentação ao governo de Temer na Câmara dos Deputados, impedindo a continuidade das investigações até que Temer deixe o cargo, em janeiro de 2019.

A prisão de José Yunes é temporária (cinco dias) e foi autorizada pelo ministro do Supremo Luís Roberto Barroso, relator do inquérito que apura se Michel Temer beneficiou a empresa Rodrimar no Porto de Santos, na edição do decreto dos Portos, assinado em maio de 2017. Além de Yunes, foram presos o empresário Antônio Celso Grecco, dono da Rodrimar; o ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi e o coronel da reserva da PM João Batista de Lima Filho, o coronel Lima, amigo de Temer.

Na manhã desta quinta, Janot ainda declarou na rede social que para combater a corrupção é preciso “coragem, inflexibilidade e muita resiliência”.

Continua após a publicidade

Além do inquérito relacionado ao decreto dos portos, a atual procuradora-geral, Raquel Dodge, solicitou ao Supremo Tribunal Federal neste ano que o presidente fosse incluído na investigação do pagamento de propina por parte da Odebrecht acertado dentro do Palácio do Jaburu, residência oficial de Temer, em maio de 2014.

Publicidade