Clique e assine a partir de 9,90/mês

No Rio, Marina defende criminalizar caixa 2 e acabar com foro privilegiado

A ex-ministra também comentou decisão do TSE que rejeitou registro de Lula: 'Foi bom porque agora estão concorrendo os candidatos que podem de verdade'

Por Da Redação - Atualizado em 1 set 2018, 18h34 - Publicado em 1 set 2018, 18h18

A candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, fez campanha neste sábado 1º pela Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, passando pelos municípios de Nova Iguaçu, São João do Meriti e Duque de Caxias. A ex-senadora defendeu uma reforma política que inclua, entre outras coisas, a extinção do foro privilegiado e a criminalização do caixa 2 de campanhas.

“Em 2014 foi o abuso do poder econômico, do caixa 2 usado pelo PT, pelo PMDB, pelo PSDB, e agora nós temos 200 deputados que estão impunes, quando deveriam estar sendo punidos. Dentro do Palácio temos o (Michel) Temer, o Moreira Franco, temos o (Eliseu) Padilha. E é por isso que eu quero fazer a reforma política, para acabar com o foro privilegiado, criminalizar o caixa 2, para que não se tenha uma eleição com dois pesos e duas medidas”, prometeu.

Neste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) restringiu o alcance do foro especial para deputados e senadores, deixando de fora os casos que não têm relação com o mandato, situações nas quais os parlamentares seguem sendo julgados na Corte. Já o caixa 2 é uma questão controversa: para o entendimento de parte dos juristas, a prática já é proibida e uma nova lei pode abrir a possibilidade para que condenados por esse fato argumentem que antes esta era permitida.

Ela também comentou a decisão de ontem do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que impediu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de concorrer ao pleito eleitoral. “Foi bom porque agora estão concorrendo os candidatos que podem de verdade. E é fundamental que a Justiça alcance aqueles que não estão sendo punidos porque estão escondidos atrás do foro privilegiado, como é o caso do Temer, do Collor, do Aécio, do Renan, do Romero Jucá. Os que estão pagando pelos seus erros já estão pagando, agora temos que ter uma justiça para acabar com o foro privilegiado para aqueles que estão dentro do Congresso e do Planalto rindo da cara dos brasileiros”, afirmou Marina.

Saneamento básico

Durante a caminhada pela região, a candidata da Rede tratou de saneamento básico, que é um dos maiores problemas da região. “A agenda do saneamento básico é uma prioridade no nosso programa de governo. Mais da metade da população brasileira não tem acesso a esgoto tratado. E essa região toda Baixada Fluminense é um bom exemplo. Resolver o problema da poluição da Baía da Guanabara é resolver o problema do saneamento básico. E o saneamento ajuda a gerar emprego, renda para as pessoas”, disse a ex-senadora a jornalistas.

Em pleno calçadão de Nova Iguaçu, e depois em São João do Meriti Marina foi bastante abordada, principalmente por mulheres, e cumpriu o ritual esperado de segurar bebês e abraçar idosos.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade