Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Netinho exige espaço em palanque e programa de TV para apoiar Haddad

Detalhes da aliança entre PT e PCdoB foram fechados nesta segunda. Comunistas ainda terão chapa própria para a Câmara e podem ficar também com a vaga de vice

Para deixar suas pretensões de ser prefeito de São Paulo, o vereador Netinho de Paula (PCdoB) assumiu o papel de noiva abandonada e fez uma série de exigência antes de “entregar o buquê” a Fernando Haddad e fechar o apoio entre seu partido e o PT. O ponto central da negociação entre as legendas foi a reeleição de Netinho, que terá espaço no palanque de Haddad e discursará em todos os comícios do petista. Além disso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está empenhado pessoalmente em conseguir um programa de TV para o vereador em uma grande emissora.

O PCdoB ainda terá chapa própria na eleição para a Câmara Municipal, com 83 candidatos – os outros partidos coligados aceitaram formar uma chapa única de candidatos a vereadores. Os comunistas apostam que Netinho será o mais votado e ajudará a aumentar a bancada do partido pela proporcionalidade. O objetivo é reeleger o vereador Jamil Murad e conseguir uma cadeira na Câmara para o ex-ministro do Esporte Orlando Silva.

Ficou acertada também a participação dos comunistas no governo petista, caso Haddad ganhe as eleições. Além de se manter na Secretaria Especial de Articulação para a Copa do Mundo (Secopa), pasta que ocupa no governo de Gilberto Kassab, o PCdoB reivindicou o comando de outra secretaria, de ao menos uma empresa municipal e de subprefeituras.

Vice Também está em negociação um vice do PCdoB para Haddad. Foram apresentados os nomes da deputada estadual Leci Brandão, do vereador Jamil Murad e da presidente do diretório estadual, Nádia Campeão – a mais cotada para o cargo, segundo o que se ventila nos bastidores. “Não estou com pressa, mas quero ver se até a quarta-feira anunciamos o nome do vice”, disse Haddad.

O PCdoB, no entanto, não está sozinho na disputa pela vaga. Mesmo com a desistência de Luiza Erundina, o diretório municipal do PSB ainda tenta emplacar a deputada federal Keiko Ota.

Com a saída de Erundina da chapa de Haddad, Lula aposta agora em Netinho para conquistar o voto da periferia de São Paulo. O objetivo é tirar o PT dos tradicionais 30% do eleitorado paulistano e chegar aos 50% para levar Haddad ao segundo turno.

Ataques – Os detalhes da aliança entre PT e PCdoB foram acertados na tarde desta segunda-feira na sede do Instituto Lula em São Paulo. Participaram da reunião Netinho de Paula, Orlando Silva e Lula. Netinho deixou claro que não era sua vontade desistir da disputa. “Não dá para esconder que o coração do negrão está ferido. Mas vou transformam esse sentimento em força para vencer, e essa força vou transferir para sua candidatura Haddad.”

Já Lula aproveitou seu discurso para atacar o principal adversário de Haddad, o tucano José Serra, e voltou a frisar que estará 100% presente na campanha do PT na capital paulista.

“Acho que ele (Serra) vai perceber que foi um equívoco ser candidato a prefeito de São Paulo, porque o povo precisa lembrar que ele já foi eleito uma vez e que, em vez de governar, ficou um ano e quatro meses no mandato e já saiu. Ele não pegou nem a segunda enchente e já correu”, disse Lula, referindo-se à saída de Serra da prefeitura em 2006 para concorrer ao governo do estado.

O ex-presidente, principal cabo eleitoral de Haddad, afirmou que a partir de julho ou agosto estará recuperado do problema na garganta – causado pelo tratamento contra o câncer de laringe – e que irá se dedicar integralmente à campanha. “Vou para a periferia fazer comício, vou fazer caminhada, vou gravar programa de televisão. Se for necessário, morderei a canela dos adversários para que Haddad seja o prefeito”.