Clique e assine a partir de 9,90/mês

Nelson Teich recusa convite para ser conselheiro do ministério da Saúde

O ex-ministro disse que não seria coerente aceitar o convite depois de deixar a pasta e defendeu uma gestão baseadas em informações precisas

Por Redação - Atualizado em 23 maio 2020, 15h12 - Publicado em 23 maio 2020, 14h57

O ex-ministro da Saúde, Nelson Teich, recusou neste sábado, 23, o convite do general Eduardo Pazuello para ser conselheiro da pasta. “Agradeço ao Ministro Interino Eduardo Pazuello pelo convite para ser Conselheiro do Ministério da Saúde, mas não seria coerente ter deixado o cargo de Ministro da Saúde na semana passada e aceitar a posição de Conselheiro na semana seguinte”, escreveu Teich no Twitter.

Em uma série de postagens, o ex-ministro defendeu uma condução técnica da pasta com estratégia, planejamento, metas e ações baseadas em informações precisas. “Quando assumi o MS, o objetivo era trazer um modelo de gestão mais técnica, que aumentasse a eficiência do Sistema e melhorasse o nível de saúde da sociedade”, escreveu Teich.

“Ser mais técnico não significa apenas uma condução médica mais técnica. Isso seria tratar o problema de forma simplista. Uma condução técnica do Sistema de Saúde significa uma gestão onde estratégia, planejamento, metas e ações são baseadas em informações amplas e precisas, acompanhadas continuadamente através de indicadores”, completou.

O ex-ministro, médico oncologista, ficou menos de um mês à frente do cargo e estava sofrendo pressões do presidente Jair Bolsonaro para liberar o uso do medicamento cloroquina para pacientes que não estão em estado grave. Bolsonaro também causou mal-estar em Teich ao liberar o funcionamento de academias e salões de beleza sem consultá-lo antes.

Continua após a publicidade

Publicidade