Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

‘Não quero fazer campanha para o PT nunca mais’, diz Ciro Gomes

Candidato do PDT reforçou que será oposição ao próximo presidente

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 28 out 2018, 18h03 - Publicado em 28 out 2018, 15h09

Candidato à Presidência que ficou em terceiro lugar no primeiro turno, Ciro Gomes (PDT), chegou às 12h11 deste domingo 28 ao local de votação, na Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, na Praia de Iracema, em Fortaleza, acompanhado da sua mulher, Giselle Bezerra. Sobre a ausência de um apoio efetivo à candidatura de Fernando Haddad (PT), Ciro afirmou que não se manteve neutro, mas que não devia apoio.

“Eu não quero fazer campanha para o PT nunca mais”, disse. Segundo o pedetista, o posicionamento já havia sido tomado desde o começo. Questionado sobre sua ausência no segundo turno, Ciro rebateu: “A quem que eu estou devendo essa presença? Estou devendo ao PT?”. Ciro afirmou que não quer influir na votação, justificando que os dois projetos apresentados neste segundo turno se antagonizam e “não desarmam essa bomba de ódio, de confrontação miúda”.

O pedetista reforçou que fará oposição a qualquer um que venha a ser eleito. “A minha posição é a mesma de antes. Se eu quisesse aderir a uma ou outra força, eu o teria feito antes. Acredito que o Brasil precisa desesperadamente desarmar essa bomba. Espero muito que esteja errado e que aquele amanhã vitorioso possa desarmar essa bomba por si e possa restaurar a paz política no Brasil, para que a gente possa resolver a equação social e política. Entretanto, eu não acredito.” Segundo ele, a bomba seria a intensa polarização.

  • Antes de deixar o local de votação, já dentro do carro, Ciro destacou a necessidade de acabar com a violência política, citando o assassinato de um jovem petista no sábado 27 em Pacajus, na Região Metropolitana de Fortaleza.

    Ciro manteve-se distante dos holofotes durante todo o segundo turno e evitou dar declarações em sua chegada a Fortaleza, na última sexta-feira (26). No sábado, optou por gravar um vídeo em que evitou demonstrar apoio explícito à candidatura petista, como era esperado.

    Ciro foi o terceiro colocado no primeiro turno, obtendo mais de 13 milhões de votos (12,47%). No Ceará, foi o candidato mais votado, com 40,95% dos votos.

    Continua após a publicidade
    Publicidade