Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Não podemos ficar indiferentes à banalização da corrupção, diz Villas Bôas

Fala foi feita ao lado do presidente Michel Temer durante solenidade em homenagem ao Dia do Exército

Em forte mensagem durante as comemorações do Dia do Exército, o comandante da Força, general Eduardo Villas Bôas, disse que “não podemos ficar indiferentes aos mais de 60 mil homicídios por ano, à banalização da corrupção, à impunidade, e à insegurança ligada ao crescimento do crime organizado e à ideologização dos problemas nacionais”. Segundo o general, “são essas as reais ameaças à nossa democracia”.

Em seguida, o general Villas Bôas lembrou que “nas eleições que se aproximam caberá à população definir, de forma livre, legítima, transparente e incontestável a vontade nacional” e pediu que “definido o resultado da disputa unamo-nos como nação”.

Em sua fala, feita em cerimônia ao lado do presidente Michel Temer (MDB) e representantes dos três poderes, o comandante fez questão de se queixar do orçamento apertado e baixos salários. “Nossa Força caminha em meio a dificuldades e desafios, entre os quais estão um orçamento aquém dos imperativos de suas missões e a defasagem salarial de seus soldados em relação às demais carreiras de Estado, obstáculos que não desviam os militares do propósito de estar, exclusivamente, dedicados e prontos para defender a Pátria”. E emendou: “e a nossa Pátria precisa ser defendida!”

O comandante citou as inúmeras missões dadas ao Exército e afirmou que “a caminhada não tem sido fácil e registra, como agora, diversos momentos de crise, que exigem da sociedade sacrifício, entendimento e coesão”.

Destacou também que “o Exército de hoje renova diariamente seu compromisso de defender, desde sempre, a soberania e a liberdade”. Lembrou ainda as ações em Roraima, de acolhimento aos venezuelanos e de intervenção federal, no Rio de Janeiro, ou na garantia da lei e da ordem, onde se fizer necessário.

O general fez questão também de exaltar os elevados índices de credibilidade que a Força tem junto à população, salientando que “o Exército não tem servidão maior do que à Pátria”.

Temer

Depois da solenidade, o presidente postou em suas redes sociais um vídeo parabenizando o Exército. No pronunciamento, Temer também elogiou a fala do general. “O comandante do Exército, na sua mensagem, mais uma vez fez uma homenagem à Constituição.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alvaro Antonio Zanin

    Parabéns ao General pela manifestação, sou contra intervenção, POREM ACHO QUE O CLIMA DE LIBERTINAGEM que esta no Brasil precisa mudar de rumos. Se os politicos e judiciário não se REIVENTAREM aí precisaremos ver outras situações. POLITICOS NÃO BRINQUE MAIS COM O POVO e NÃO MATEM A GALINHA DE OVOS DE OURO. #fimimpunidade #fimcorrupcao

    Curtir

  2. Alberto de Araujo

    Não faltarão críticos obre a mensagem do comandante da força, General Villas Bôas. Sabe e tem consciência do que diz. Hoje , as forças armadas tem o maior índice de credibilidade junto à população. Há a participação dele desta confiança. Já se declarou reiteradas vezes que é defensor das instituições democráticas. A pátria, sempre! infelizmente, não se pode afirmar sobre os políticos, governantes e ministros do STF.

    Curtir

  3. news da hora

    As forças armadas não deve compactuar com corrupções , mas tem por obrigação sair dos quarteis , e ajudar na segurança do nosso Brasil .

    Curtir

  4. news da hora

    Pois nos desgovernos de Lula e Dilma , eles abriram as fronteiras para os amigos bolivarianos , Farcs e cias trazerem drogas e armas de guerra para as quadrilhas Brasileiras .

    Curtir

  5. news da hora

    Essa intervenção na segurança do estado do Rio de Janeiro , tem que se estender para outros estados aonde a violência impera , e também para as fronteiras .

    Curtir

  6. alfredo lucio saback soares de quadros

    aos 13 anos, em 31 de março de 1964, conscientemente, estava nas ruas , em frente ao forte de copacabana no rj, fazendo barricadas contra os golpistas.
    participei de todos os protestos até a queda da ditadura.
    nossos heróis de então, se mostraram , na maioria como aproveitadores e enganadores.
    hoje não vivemos numa democracia. vivemos num país em que corruptos ditam as leis, presidem o país, e são protegidos por uma quadrilha incrustada no supremo para qual o Brasil e seus nacionais não importam mas sim os interesses imediatos de seus comparsas corruptos.
    isso não é uma democracia mas sim uma cleptocracia.
    se os poderes constitucionais apenas continuam a dilapidar o país colocando-nos como a nação mais corrupta do mundo, só nos resta apelarmos para aqueles que detém uma força que deve ser direcionada para proteção da nação e de seus honestos ( na quase totalidade ) cidadãos.
    FORÇAS ARMADAS . CONSERTEM O QUE FIZERAM DE ERRADO EM 1964.

    Curtir