Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Na TV, ministros de Dilma defendem Haddad

O tucano José Serra repetiu a argumentação de que o petista acabará com parcerias entre a prefeitura e as organizações sociais na área da saúde

O candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, recorreu à imagem de um time de cinco ministros do governo Dilma Rousseff para fazer campanha para ele na propaganda eleitoral desta tarde. Divididos pela área de suas pastas, os ministros ressaltaram os benefícios da parceria entre o governo federal e Haddad, caso ele seja eleito prefeito da capital paulista. A primeira foi a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Em seguida, Guido Mantega, da Fazenda, deu seu apoio: “O trabalho em parceria com o governo federal vai trazer para São Paulo recursos, elevando as condições de vida da nossa população.”

Leia também:

Serra e Haddad trocam farpas em evento de ONG

Na reta final, a luta de Serra e Haddad contra o estresse

O chefe da Educação, Aloizio Mercadante, salientou os investimentos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que foi criado em 2011 para ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica. O candidato do PSDB, José Serra, tem como promessa de campanha a ampliação do ensino profissionalizante, com a criação da Secretaria Municipal de Ensino Técnico. Participaram do programa de Haddad ainda José Eduardo Cardoso, ministro da Justiça, e Alexandre Padilha, da Saúde.

O programa do PSDB voltou a afirmar que Haddad defende o fim das parcerias entre prefeitura e as organizações sociais na área da saúde. O programa assegurou que Serra, se eleito, vai reforçar as parcerias e investirá na construção de Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs).

No rádio – Fernando Haddad explorou na manhã desta terça-feira, durante o programa eleitoral de rádio, os apoios de sua campanha, citando ministros do governo de Dilma, o cantor e compositor Gilberto Gil e dirigentes ligados aos três grandes clubes de futebol da cidade – Corinthians, São Paulo e Palmeiras. Já Serra voltou a dizer que, se o petista for eleito, vai acabar com as parcerias entre a prefeitura e as organizações sociais na área da saúde.

Nesta segunda-feira, Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians – time de coração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, padrinho de Haddad -, Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo – time de Haddad -, e Arnaldo Tirone, presidente do Palmeiras – clube de José Serra -, declararam apoio à candidatura petista em evento de campanha.

(Com Agência Estado)