Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Na posse de Borges, Dilma afaga o PR de olho em 2014

César Borges assume Transportes, pasta da qual, em 2011, seu correligionário Alfredo Nascimento foi demitido por esquema de corrupção

De olho nas eleições de 2014, a presidente Dilma Rousseff empossou nesta quarta-feira o ex-senador César Borges como novo ministro dos Transportes e, em um gesto de aproximação com o Partido da República (PR), ao qual Borges é filiado, elogiou a consolidação da legenda no primeiro escalão do governo federal.

O convite a Borges é mais um capítulo da reaproximação da presidente com políticos banidos do primeiro escalão após a alegada “faxina” na Esplanada dos Ministérios. Depois de revitalizar Carlos Lupi, que, mesmo defenestrado do Ministério do Trabalho diante de denúncias, emplacou seu braço direito, Manoel Dias, na pasta, a presidente devolve ao PR o cobiçado Ministério dos Transportes.

O titular dos Transportes no início do governo Dilma era o atual senador Alfredo Nascimento, demitido em julho de 2011, após VEJA ter revelado um amplo esquema de corrupção e troca de favores envolvendo o ministério e autarquias.

“Creio que a nomeação de César Borges (…) consolida a participação do PR na nossa coalização do governo, o que para nós também é muito importante, e o faz de forma extremamente qualificada”, disse a presidente na solenidade de posse. “O PR é o partido que está conosco desde o dia em que o grande brasileiro José Alencar concorreu à vice-presidência em dobradinha com o ex-presidente Lula, o que nos levou à vitória nas três eleições que seguiram”, afirmou.

Aliados – A escolha de Borges faz parte da estratégia para trazer de volta o PR à base aliada do governo e, com o afago, começar a sedimentar o apoio da legenda ao projeto de reeleição da presidente Dilma Rousseff. Embora tenha feito carreira política no extinto PFL, atual DEM, César Borges é uma solução considerada “mista” para o PR: o ex-senador tem perfil político e pode atender os pleitos mais imediatos do partido e também é um nome escolhido pessoalmente pela presidente.

Borges ocupava a vice-presidência de governo do Banco do Brasil e substituirá Paulo Sérgio Passos, indicado agora pela presidente para a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Passos também é filiado ao PR, mas não tinha o apoio de deputados e senadores da legenda e era considerado da “cota pessoal” da presidente. Para ocupar a ANTT, o nome de Passos precisará ser sabatinado no Senado.

Na posse do novo ministro dos Transportes, a presidente Dilma Rousseff utilizou parte do discurso para criticar governos anteriores pela falta de investimento em logística e disse que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e a Valec, estatais do setor, estão agora com um “time mais afinado” do que em gestões anteriores. Conforme revelou VEJA, as duas empresas eram engrenagens fundamentais no esquema de corrupção coordenado pelo PR no Ministério dos Transportes.

A confirmação do nome de César Borges como ministro do PR nesta segunda-feira não agradou parte das lideranças do partido. O anúncio do nome do ex-senador baiano foi feito à bancada pelo homem forte da agremiação, Valdemar Costa Neto (PR-SP), condenado por participar do esquema do mensalão. O presidente nacional do PR, Alfredo Nascimento, contatou apenas parte dos deputados e senadores, enquanto a presidente Dilma Rousseff telefonou diretamente para o líder do partido na Câmara, Anthony Garotinho, para falar de Borges.