Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Na plateia do impeachment, de Chico Buarque a Kim Kataguiri

Presidente discursará por 30 minutos a partir das 9 horas da manhã e, na sequência, será questionada por senadores

Depois de a presidente afastada Dilma Rousseff ter oficializado um lista com 30 convidados, entre os quais o ex-presidente Lula e o cantor Chico Buarque, a advogada Janaína Paschoal, uma das signatárias do pedido de impedimento contra a petista, apresentou ao Senado Federal seu rol de convidados com militantes de movimentos pró-impeachment, entre os quais os líderes do Movimento Brasil Livre, Kim Kataguiri, Renan dos Santos e Fernando Silva Bispo, do Movimento Vem Pra Rua, Rogério Chequer, e representantes do Revoltados Online e do Nas Ruas.

Os convidados, que acompanharão a sessão de impeachment da galeria do Plenário do Senado, também incluem jornalistas, advogados e testemunhas de acusação contra a presidente afastada. Dilma Rousseff, por sua vez, já havia apresentado sua lista de convidados com ex-ministros e apoiadores, como a atriz Letícia Sabatella, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) Wagner Freitas, o ex-presidente da OAB Marcello Lavenère e o líder do MTST Guilherme Boulos.

Na reta final do processo de impeachment, a presidente afastada Dilma Rousseff discursará por 30 minutos, prorrogáveis a critério do presidente da sessão, Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF). Na sequência, ela será inquirida por senadores, pela acusação e por sua própria defesa, comandada pelo ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo. Na última semana, os parlamentares ouviram por 32 horas testemunhas de defesa e de acusação.

Pouco antes das 9 horas da manhã, Dilma deixou o Palácio da Alvorada rumo ao Senado Federal, casa legislativa onde tramita a fase final do procedimento de impeachment.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. A serviçal da quadrilha do lulladrão está defecando pela latrina bocal e dando coices na língua portuguesa.
    A quadrilha do lulladrão, em parte, como está o pilantra, marginal, vagabundo, safado, imundo Buarque, todos se comportando igual ao chefe da quadrilha, o vagabundo lulladrão, um cão sarnento vira latas, jogado num canto, esperando a morte e a entrada no lixo infernal da história, como o maior ladrão da história do país.

    Curtir

  2. Tadeu Monteirinho

    Este joga bosta na Geny é o tipo cara de pau, para se aparecer não?

    Curtir

  3. #foradilma

    Curtir

  4. Gilda Pinheiro

    Que pena, eu gostava tanto do Chico.

    Curtir

  5. Tiago de Mattos Queiroz

    E o ex ministro José Mercadante, aquele que desceria a rampa com a Sra Presidente, está lá?
    Aquele que tentou calar delações premiadas, está lá?
    Aliás, onde esteve nos últimos meses?

    Curtir

  6. Roberto Fontes

    Ironia da história.
    Chico Buarque, gênio da MPB e petista histórico, escreveu o epitáfio do PT em 1986, quando, nem o mais fanático militante, imaginaria que o partido afundasse sob pesadas denúncias de corrupção.
    Hoje, Chico assiste ao vivo, a alguns metros de distância, o fim do partido que representou a esperança de milhões, mas se transformou na mais azeitada organização criminosa de que se tem notícias na história recente do Brasil.
    Os versos da composição Vai Passar, escritos há 30 anos, exprimem com absoluta fidelidade este momento, uma página infeliz da nossa história:
    ‘Dormia
    A nossa pátria mãe tão
    distraída
    Sem perceber que era
    subtraída
    Em tenebrosas
    transações’.
    O Brasil acordou!

    Curtir