Clique e assine a partir de 9,90/mês

Na contramão da decisão do PMDB, deputado aceita comando da Aviação Civil

Na convenção do partido, sábado, foi aprovada uma moção que proíbe filiados de assumirem novos cargos no governo por 30 dias

Por Da Redação - 16 mar 2016, 09h23

Contrariando a decisão tomada pelo PMDB de não aceitar cargos no governo federal pelos próximos trinta dias, o deputado federal Mauro Lopes (PMDB-MG) aceitou a indicação para o comando da Secretaria da Aviação Civil (SAC) já nesta semana. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo desta quarta-feira, peemedebistas informaram que Lopes deve tomar posse nesta quinta.

Na convenção do partido, realizada no último sábado, o PMDB uma moção que proíbe filiados de assumirem novos cargos no governo federal pelos próximos trinta dias. Neste período, a legenda vai avaliar se rompe com a presidente Dilma Rousseff e adota uma posição de independência no Congresso. Lopes chegou a questionar a validade da moção, cuja votação não era prevista no edital da convenção. Por causa da intenção de assumir a Aviação Civil, o deputado quase perdeu o posto de secretário-geral do PMDB para o ex-ministro Eliseu Padilha, mas permaneceu na Executiva Nacional, depois de a bancada mineira garantir que Lopes não seria mais indicado ao ministério.

Leia mais:

PMDB vai avaliar em 30 dias rompimento com o governo

Continua após a publicidade

O deputado mineiro se reuniu com o vice-presidente Michel Temer, na manhã desta terça-feira e, após o encontro, chegou a pedir ao Palácio do Planalto que segurasse por pelo menos uma semana sua indicação. Mas o deputado mudou de ideia, de acordo com o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), depois que recebeu apoio de ministros e lideranças da legenda no Senado. Esses peemedebistas prometeram a Lopes que apoiariam sua indicação. Fontes do Planalto confirmaram que o deputado mineiro aceitou a nomeação para a SAC nesta semana, diz o jornal.

Com a decisão de Lopes, parlamentares peemedebistas da ala pró-impeachment reforçaram que vão pedir a expulsão do mineiro do PMDB, tendo como base as propostas aprovadas na convenção do partido. Para evitar a expulsão, a ala governista argumenta que Lopes já tem 80 anos de idade e que, caso o partido desembarque do governo, o deputado não vai ficar muito tempo no cargo. O próprio Lopes afirmou que desembarcará junto com os outros seis ministros do PMDB.

(Da redação)

Publicidade