Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Na Bahia, Dilma afirma que o PSDB ‘ignorou o Nordeste’

Petista ainda disse que, quando estava no poder, partido de Aécio 'usou e abusou' da indústria da seca. E que Armínio Fraga não gosta de salário mínimo

Por Gabriel Castro, de Salvador 9 out 2014, 12h24

Atualizada às 17h20

Na terceira escala de seu tour pelo Nordeste, a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) voltou nesta quinta-feira a atacar o PSDB, partido de seu adversário neste segundo turno, Aécio Neves. Em um encontro com prefeitos e vereadores baianos, em Salvador, ela pediu um esforço adicional para impedir que o PSDB volte ao poder. Acusou os tucanos de “usar e abusar” da indústria da seca quando estevam no poder – e acusou o partido de ignorar os estados nordestinos.

Leia também:

Na PB, Dilma usa palanque do PSB para atacar tucanos

“Eles nunca tiveram um projeto para essa região do país. Nunca olharam para ela. Deixaram anos e anos a fio sem investimento em infraestrutura, sempre usaram e abusaram da indústria da seca e não tentaram resolver o problema a fundo, que era garantir água”, afirmou a presidente, que estava acompanhada de aliados como o governador eleito da Bahia, Rui Costa (PT).

A presidente também criticou diretamente o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, que será ministro da Fazenda em um eventual governo de Aécio Neves. “Ele não gosta do salario mínimo. Ele acha que para resolver os problemas do Brasil eles têm de diminuir o salario mínimo porque o salário mínimo está excessivo. Isso é um escândalo”, disse ela.

Continua após a publicidade

Leia também:

Dilma defende Pimentel após apreensão da PF

Dilma diz que PSDB é ‘elite que despreza o Nordeste’

Aécio recebe apoio do PSB e repete lema de Campos

“Essa é uma conversa velha e eu vim aqui dizer que não só eu agradeço, mas eu respeito extremamente essas pessoas, esses cidadãos, essas cidadãs que votaram em mim. Eu tenho certeza que aqui no Nordeste, está uma parte essencial do Brasil, que, sem o Nordeste e a Bahia, não seria a nação que nos amamos”, afirmou.

Medo – O governador da Bahia, Jaques Wagner, retomou o discurso do medo contra os tucanos, a quem ele, como Dilma, acusou de fomentarem o ódio ao Nordeste. “Quem será o próximo objeto do ódio deles? Eu tenho medo, porque quem me conhece sabe: eu acho que antes de tudo nós temos que preservar a democracia brasileira. Não vale tudo numa eleição”. O petista também afirmou que o PSDB quer o “fim” do PT. “Nós somos adversários políticos do PSDB, mas não queremos a morte do PSDB como eles querem a morte do PT e do nosso projeto”, disse ele. Ainda nesta quinta-feira, a presidente deve visitar Aracaju (SE) e Maceió (AL). Nesta quarta, ela esteve em Teresina (PI) e João Pessoa (PB).

Aracaju – Em Aracaju, a presidente esteve em outro ato com lideranças regionais e militantes petistas. Ela praticamente repetiu o discurso feito em Salvador e disse que o crescimento do poder de consumo dos nordestinos “incomoda os ricos”. Dilma citou nominalmente o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao mencionar uma declaração dele sobre os eleitores menos informados, que tendem a votar em Dilma.

Continua após a publicidade
Publicidade