Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

MP quer suspensão de reajuste nas tarifas de ônibus em SP

Sem acordo com manifestantes, promotor vai tentar audiência com prefeito e governador para evitar novo protesto marcado para esta quinta-feira

Por Da Redação
12 jun 2013, 20h59

O Ministério Público Estadual de São Paulo (MPE-SP) se propôs nesta quarta-feira a intermediar com a prefeitura e o governo do estado a suspensão do aumento na tarifa de ônibus, trem e metrô – de 3 reais para 3,20 reais – após reunião com integrantes do Movimento Passe Livre e representantes dos governos municipal e estadual na sede da entidade, no centro da capital paulista. A suspensão por 45 dias do aumento, rejeitada até agora pela prefeitura e pelo governo estadual, seria uma forma de conter a onda de protestos e vandalismo.

O promotor de Justiça de Habitação e Urbanismo Mauricio Ribeiro Lopes se comprometeu a tentar audiência com o prefeito Fernando Haddad (PT) e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) para levar a proposta. Se a suspensão for aceita, os manifestantes farão uma trégua nos protestos e passarão a debater o valor da tarifa. Como ainda não houve acordo no encontro, o ato maracado para esta quinta-feira, às 17 horas, no Theatro Municipal está mantido. Será a quarta manifestação promovida pelo grupo em menos de uma semana.

O MPE formou uma comissão de representantes dos manifestantes para participar de discussões sobre o valor da passagem de transporte público com prefeitura e estado. Caso a suspensão seja aceita, Mayara Vivian e Lucas Monteiro (ambos do MPL), João Victor Pavesi e Maurício Costa (do PSOL) e Altino Prazeres, presidente do Sindicato dos Metroviários que chegou a ser preso nos protestos, devem debater com a prefeitura e o governo estadual por até 45 dias.

Continua após a publicidade

Leia também:

Alckmin: manifestantes são baderneiros e vândalos

Vice-prefeita de São Paulo diz que atos de vandalismo impedem diálogo

Continua após a publicidade

Vandalismo – Ao fim do protesto de terça-feira, dezenove pessoas foram detidas pela Polícia Militar (PM) – dez sob acusação de formação de quadrilha. Segundo a São Paulo Transporte (SP Trans), afirmou que 85 ônibus ficaram danificados por vândalos. Foi a terceira vez em menos de uma semana que as manifestações prejudicaram o trânsito em horários de pico. Diversas ruas, como a Avenida Paulsita e a Rua da Consolação, foram bloqueadas por barricadas de lixo e fogueiras. A PM reagiu com bombas de gás lacrimogêneo. Milhares de manifestantes também barraram o tráfego na Radial Leste. Eles atearam fogo em pneus e o estrago só não foi pior porque chovia forte em diversos pontos da cidade.

Na semana passada, o Movimento Passe Livre e os militantes da esquerda radical causaram transtornos em duas ocasiões. Na quinta-feira, o grupo se reuniu na Praça Ramos de Azevedo, no centro, e seguiu caminhando para a Avenida Paulista. No percurso, deixaram um rastro de vandalismo e entraram em choque com a Polícia Militar. Na sexta-feira, as cenas se repetiram em um protesto semelhante na Zona Oeste, quando os manifestantes voltaram a bloquear vias como a Avenida Faria Lima e a Marginal Pinheiros, causando enormes congestionamentos.

Nesta terça-feira, o Ministério Público de São Paulo afirmou que pretende responsabilizar os manifestantes que depredaram estações de metrô e lojas nos protestos ocorridos na semana passada. Somente nestas estações, o prejuízo chegou a 73 000 reais. Um total de quinze pessoas foram detidas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.