Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MP não vê justificativa para empréstimo milionário a Bumlai

Para o Ministério Público, empresa de amigo do ex-presidente Lula passava por situação financeira crítica

O Ministério Público Federal no DF concluiu que não houve justificativa para que o BNDES emprestasse 102 milhões de reais para o Grupo São Fernando, do pecuarista José Carlos Bumlai, em 2012, com a intermediação do Banco do Brasil e do BTG Pactual. O empresário é amigo do ex-presidente Lula e foi preso na Operação Lava-Jato. O empréstimo foi feito de forma indireta, por intermédio dos BTG Pactual e do Banco do Brasil. A conclusão de que a operação não tem sustentação técnica faz parte de um despacho assinado em março desse ano pela procuradora da República Sara Leite, anexado a uma investigação sigilosa.

Leia também:
Bumlai: Assessor de Lula me pediu para deixar obra do sítio
Bumlai diz que foi o ‘trouxa perfeito’ a serviço do PT

O empréstimo foi concedido ao grupo da família Bumlai depois que a falência da Usina São Fernando já tinha sido requerida. A procuradora, após receber as explicações do BNDES, escreveu no despacho: “Não há nos autos justificativa para que tal operação fosse intermediada pelo Banco do Brasil e pelo BTG Pactual”, diz o MPF, “diante da situação crítica em que se encontrava a empresa”.

A investigação foi iniciada a partir de notícias de que o BNDES havia driblado normas internas para conceder o empréstimo ao “amigo de Lula”. O contrato foi assinado em 2012, quando o pedido de falência já tramitava na Justiça. Nesta semana, o juiz Sérgio Moro autorizou compartilhamento das informações de buscas e apreensões da Lava-Jato com a Procuradoria da República no DF. Estas buscas foram feitas em escritórios e residências da família Bumlai. O BNDES informou ao Ministério Público que o banco emprestou um total de 395 milhões de reais às empresas da família Bumlai.

Para autorizar a liberação do crédito, o banco justificou que a São Fernando era uma empresa em fase pré-operacional, não possuindo classificação de risco junto ao BNDES e ainda apresentou como fiadora a Heber Participações, do Grupo Bertin.

A São Fernando encontra-se inadimplente em relação às suas obrigações financeiras junto ao BNDES. O banco ajuizou ação de execução na Justiça Federal do Rio de Janeiro contra a Heber Participações, José Carlos Bumlai e seus filhos Maurício e Guilherme.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jurandir marques

    Todas transações ilegais e espúrias durante o governo PeTista, tiveram, no BNDES, BB, CEF, etc… influência de Lula e Dilma, pois, foram eles os gestores públicos que, conforme a filosofia dos PeTralhas, com as eleições tornaram-se donos dos cofres públicos e fizeram os “diabos com a economia brasileira”.

    Curtir

  2. Wanderley Revert

    Inacreditável que este tal de Lula Dilma e gang tem coragem de se dizerem inocentes

    Curtir