Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MP investiga destino de R$ 1,8 mi doado a vítimas de Mariana

Tragédia ocorrida em 5 de novembro devastou a cidade mineira e deixou dezenas de famílias desabrigadas

O Ministério Público de Minas Gerais abriu nesta quarta-feira um inquérito civil para apurar a aplicação de recursos que deveriam ter sido distribuídos a famílias afetadas pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco, no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), em novembro do ano passado. A prefeitura recebeu doações da ordem de 1 milhão de reais, e a arquidiocese local, outros 800.000 reais.

A decisão foi tomada depois que o Ministério Público recebeu reclamações de moradores de Bento Rodrigues e de outras localidades afetadas pela lama que não tiveram acesso aos recursos. O promotor de Justiça Guilherme de Sá Meneghin vai solicitar informações como números de contas bancárias e extratos à prefeitura de Mariana e também à arquidiocese. A gestão municipal e a arquidiocese terão cinco dias para atender à solicitação da promotoria de Justiça.

Nesta quarta-feira, a Polícia Federal indiciou executivos da Samarco, da Vale e da VogBr por crime ambiental em decorrência da tragédia. A VogBr foi responsável por emitir os pareceres que atestavam a estabilidade da barragem de Fundão, que recebia rejeito de minério de ferro também da Mina de Alegria, da Vale – dona da Samarco juntamente com a mineradora anglo-australiana BHP Billiton.

Leia mais:

Barragem de Fundão não será reativada, diz presidente da Samarco

Responsabilidade por Mariana também é do governo, diz ONU

(Da redação)