Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

MP do Rio aponta rachadinha e nepotismo no gabinete de Flordelis

De acordo com promotores, deputada federal do PSD, acusada de matar o marido, ficava com parte dos salários dos assessores e nomeou filhos adotivos

Por Jana Sampaio, Cássio Bruno e Marina Lang
Atualizado em 24 ago 2020, 18h22 - Publicado em 24 ago 2020, 17h57

Acusada de ser a mandante do assassinato do marido, Anderson do Carmo, a deputada federal Flordelis (PSD-RJ) também foi apontada como organizadora dos crimes de rachadinha e nepotismo em seu gabinete, em Brasília. Segundo os promotores do Ministério Público estadual do Rio de Janeiro, a parlamentar e o pastor ficavam com parte dos salários dos funcionários.

Um dos assessores de Flordelis é André Luiz de Oliveira, filho socioafetivo (quando uma adoção não é concluída judicialmente) do casal, nomeado em agosto de 2019 como secretário parlamentar, dois meses após a morte de Anderson. André recebia 15.698,32 reais oficialmente, mas repassava mais de 11 mil reais para a deputada, segundo as interceptações telefônicas realizadas pelo MP e pela Polícia Civil. Assim como André, Carlos Ubiraci Francisco da Silva, também adotado socioafetivamente pela cantora gospel e pelo pastor, ganhava o mesmo vencimento e está lotado no gabinete desde a agosto do ano passado. Ambos foram presos nesta segunda, 24, por participação no crime.

De acordo com o promotor Sérgio Lopes Pereira, membro do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MP-RJ), a neta de Flordelis, Rayane dos Santos Oliveira, filha de Simone dos Santos Rodrigues, também teria recebido oferta da avó para participar do esquema criminoso. O nome de Rayane, no entanto, não consta na lista de equipe de gabinete da deputada.

Procurado, o advogado de defesa não foi encontrado.

Continua após a publicidade

Entenda o caso:

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro apontaram a deputada Flordelis como a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo. O crime ocorreu em 16 de junho de 2019. A vítima levou mais de 30 tiros quando chegava em casa, no bairro de Pendotiba, em Niterói, Região Metropolitana da capital.

Nesta segunda-feira, 24, policiais da Divisão de Homicídios e promotores do Gaeco deflagraram a Operação Lucas 12, em homenagem à passagem bíblica que diz “Não há nada escondido que não venha a ser descoberto”. Cinco filhos e uma neta da deputada foram presos. Flordelis só não foi detida porque tem imunidade parlamentar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.