Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mortes de inocentes estarão na conta de Bolsonaro e Moro, diz líder do PT

Para Paulo Pimenta, decisão do presidente eleito tem relação com 'lobby da indústria de armas' e com influências de Estados Unidos e Israel

O líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (RS), criticou neste sábado 29 a decisão do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) de publicar um decreto facilitando a posse e o registro de armas no Brasil, como anunciado pelo futuro governante em sua conta oficial no Twitter.

Para Pimenta, a decisão colocará “na conta” de Bolsonaro e do futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, as eventuais mortes de inocentes por conflitos armados. “As mortes de inocentes pelas mãos de pessoas armadas sem qualquer treinamento e avaliação psicológica, as tragédias em brigas de família e discussões com vizinhos ou no trânsito estarão na conta de Jair Bolsonaro e Sergio Moro”, afirmou.

“Qualquer gestor e pessoa minimamente informada sabe que mais armas na sociedade é estímulo à violência e está longe de ser qualquer solução para a segurança pública”, complementou o deputado petista.

A medida anunciada pelo presidente eleito foi suavizada ao longo da tarde por uma outra postagem, na qual Bolsonaro deixa claro que o Executivo tratará da extensão temporal dos registros, mas que “outras formas de aperfeiçoamento” dependerão do Legislativo. Escolhido pelo presidente eleito para o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general Augusto Heleno afirmou que o decreto não revogará exigências atualmente previstas em lei, como não possuir antecedentes criminais e ter boas condições de vista.

Ainda em nota, o líder da bancada petista afirmou que a decisão está relacionada com uma suposta proximidade de Jair Bolsonaro com empresas do setor de armamentos e com as relações diplomáticas que o novo governo está construindo com os Estados Unidos e com Israel.

“A decisão de Bolsonaro e Moro é pagamento ao lobby da indústria de armas no Brasil, nos EUA e em Israel. As empresas destes dois países, notórios por gastar mais em armamento de guerra do que em saúde e educação públicas, terão um imenso mercado no Brasil para ampliar seus lucros”, criticou.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cleuvis Casagrande

    Se querem colocar a morte de inocentes na conta de Bolsonaro após a posse, então os 62 mil homicídios por ano após a proibição de armas nós vamos colocar na conta de quem? Na conta da esquerda?

    Curtir

  2. Fernando Ribeiro

    O líder do PT quer creditar as mortes por armas de fogo na conta de Bolsonaro e Moro. Mas então devemos colocar na conta do PT as mais de 62 mil mortes cometidas pelos que foram desarmados pelo estatuto do desarmamento patrocinado pela PT?

    Curtir

  3. Fernando Ribeiro

    ”Mas importante que fazer alguma coisa e desfazer os coisas erradas feitas pelo PT” a começar pelo estatuto do desarmamento.

    Curtir

  4. Bolsonaro Fahur

    Ok, as 65.000 mortes anuais até agora então vcs assumem né … Seus vermes vigaristas!!!

    Curtir

  5. odilon santos

    O “iluminado” credita a quem as mortes ocorridas por arma de fogo após o famigerado”Estatuto do Desarmamento’ que apenas desarmou as pessoas de bem , muitas das quais foram mortas porque não tinham como se defender? Diminuiram as mortes por arma de fogo, na vigência desse estatuto?

    Curtir