Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Moro condena Bumlai a 9 anos e 10 meses de prisão

Outras sete pessoas foram condenadas na decisão desta quinta-feira

Por Da redação Atualizado em 15 set 2016, 11h38 - Publicado em 15 set 2016, 09h20

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância em Curitiba, condenou nesta quinta-feira o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, a 9 anos e 10 meses de prisão por gestão fraudulenta de instituição financeira e corrupção. O magistrado manteve a prisão preventiva do empresário, que voltou à cadeia no início de setembro. Outras sete pessoas foram condenadas na ação.

Bumlai foi acusado pelos crimes no empréstimo de 12 milhões de reais do banco Schahin para o PT em 2004. Ele havia sido preso pela primeira vez em novembro de 2015, na Operação Passe Livre, 21ª fase da Lava Jato. Segundo as investigações, como pagamento pelo empréstimo, o Grupo Schahin foi favorecido com um contrato de 1,6 bilhão de dólares sem licitação da Petrobras para operar o navio sonda Vitória 10.000, em 2009.

Leia também:
Teori retira afirmação de que Lula quer ‘embaraçar’ Lava Jato
Imprensa mundial diz que denúncia abala futuro político de Lula

Bumlai foi condenado pelos crime de gestão fraudulenta de instituição financeira, por ter contraído o empréstimo, e por corrupção passiva, por ter conseguido vantagem indevida no contrato com a estatal. Moro, porém, absolveu o pecuarista do crime de lavagem de dinheiro “por falta de adequação típica”.

Também foram condenados o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto (6 anos e 8 meses, regime semiaberto por corrupção passiva), o operador de propinas Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano (6 anos em regime semiaberto por corrupção), os executivos Milton Schahin e Salim Schahin (9 anos e 10 meses de prisão por corrupção e gestão fraudulenta), o executivo Fernando Schahin (5 anos e 4 meses em regime semiaberto por corrupção ativa), o ex-gerente da Petrobras Eduardo Musa (6 anos em regime semiaberto por corrupção) e o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró (6 anos e 8 meses, regime semiaberto por corrupção passiva).

Continua após a publicidade

O juiz Sergio Moro absolveu nesse caso Jorge Luiz Zelada do crime de crime corrupção passiva; Maurício de Barros Bumlai dos crimes de corrupção passiva, gestão fraudulenta de instituição financeira e lavagem de dinheiro; e Salim Taufic Schahin, do crime de lavagem de dinheiro.

Sítio em Atibaia

Amigo do ex-presidente Lula desde 2002, José Carlos Bumlai também está envolvido nas obras do sítio Santa Bárbara, em Atibaia, no interior de São Paulo. O petista é investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ser o verdadeiro dono do imóvel, o que ele nega veementemente.

Em depoimento aos investigadores da Lava Jato, Bumlai afirmou que, em 2010, o ex-assessor especial de Lula no Palácio do Planalto Rogério Aurélio Pimentel o procurou e pediu que “deixasse a obra” do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), “pois não estava andando a contento”. Na ocasião, o pecuarista estava ajudando na ampliação das acomodações do sítio, segundo afirmou, a pedido da então primeira dama, Maria Letícia.

Em agosto, o MPF  entregou à Justiça uma manifestação em que afirma que a cozinha do sítio, reformada pela empreiteira Odebrecht sob a coordenação de Bumlai, foi “outra operação de lavagem de dinheiro em favor de Lula”. “Nesses fatos, estão envolvidos a mesma loja da Kitchens e o mesmo funcionário da OAS que viabilizaram a mobília do apartamento tríplex de Lula em Guarujá/SP. Nesse caso a pessoa interposta escolhida pela OAS para ocultar o verdadeiro destinatário/beneficiário da cozinha foi Fernando Bittar, em nome do qual foi emitida a nota fiscal dos móveis”, diz o documento.

Ontem, os procuradores da Lava Jato apresentaram a primeira denúncia contra Lula no âmbito da Lava Jato em relação ao apartamento tríplex no Guarujá (SP) – cuja propriedade também é negada pelo petista. Mais do que isso, o MPF afirmou que Lula é o mandante do esquema de corrupção na Petrobras.

 

Continua após a publicidade
Publicidade