Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Moraes nega recurso contra decisão do TSE que tornou Bolsonaro inelegível

Ministro alegou problemas processuais na ação e afirmou que não houve cerceamento do direito de defesa durante o julgamento

Por Da Redação Atualizado em 26 Maio 2024, 19h22 - Publicado em 26 Maio 2024, 19h15

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, rejeitou um recurso apresentado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro para que a decisão que o tornou inelegível fosse analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Em outubro do ano passado, a Justiça Eleitoral condenou Bolsonaro e seu candidato a vice, general Walter Braga Netto, por abuso de poder político e econômico durante as comemorações do Sete de Setembro de 2022 – a Corte entendeu que a dupla usou a data para fazer campanha a pouco menos de um mês da eleição.

Também foi aplicada uma multa no valor de 425 mil reais a Bolsonaro e 212 mil reais a seu vice. À época, Bolsonaro já havia perdido os direitos políticos em decorrência da condenação por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação ao convocar embaixadores para contestar o sistema eleitoral brasileiro. Braga Netto, no entanto, não havia sido atingido pela decisão e cogitava disputar a prefeitura do Rio de Janeiro nas eleições deste ano.

Ao TSE, a defesa do ex-presidente pedia que a condenação imposta pelo TSE à dupla fosse julgada pelo STF, numa tentativa de reverter o veredito. Na última sexta-feira, 24, Moraes rejeitou a ação sob o argumento de divergências processuais, alegando que o formato da ação apresentada – um recurso extraordinário – não atendia os requisitos adequados. O ministro também pontuou que não houve cerceamento do direito de defesa de Bolsonaro e Braga Netto durante o julgamento.

Continua após a publicidade

“A prova dos autos demonstra, de forma inequívoca, que os investigados buscaram fazer do Bicentenário da Independência e das comemorações oficiais da data cívica um potente fator de mobilização eleitoral. A narrativa apresentada foi a de que a presença dos apoiadores dos candidatos, ao lado das Forças Armadas, tornaria o ato decisivo na ‘luta do bem contra o mal’, imagem que o primeiro investigado evocava como mote na disputa contra seu principal adversário no pleito”, escreveu Moraes na decisão.

Ele acrescentou que a medida foi decidida com base nas peculiaridades do caso concreto, “de modo que alterar a conclusão do acórdão recorrido pressupõe revolvimento do conjunto fático-probatório dos autos, providência que se revela incompatível com o Recurso Extraordinário”.

Agora, a defesa dos políticos pode recorrer da decisão de Moraes ao Supremo. Em publicação numa rede social, Bolsonaro escreveu que há uma “perseguição sem fim”. A defesa afirmou que vai apresentar o recurso adequado em um momento oportuno.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.