Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministro da Justiça vai manter no cargo diretor-geral da PF

Alexandre de Moraes confirmou a permanência de Leandro Daiello no comando da Polícia Federal, defendeu as delações premiadas e prometeu 'todo o apoio' à Operação Lava Jato

Novo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes confirmou nesta sexta-feira que vai manter no cargo o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello. A permanência de Daiello, que é um dos principais homens à frente da Operação Lava Jato, foi acertada após uma reunião entre os dois nesta sexta, em Brasília. “O delegado Leandro Daiello será mantido, pois vem realizando um ótimo trabalho, é extremamente competente e republicano”, afirmou Moraes.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o novo ministro também defendeu as delações premiadas como “instrumentos importantíssimos para a investigação” e prometeu apoiar a Lava Jato. “Como ministro da Justiça irei garantir todo o apoio e os recursos necessários para que essa importante operação continue em sua trilha exitosa.”

LEIA TAMBÉM:

O governo Temer e a sombra da Operação Lava Jato

Serra rechaça coro bolivariano em apoio à tese petista de golpe

Sobre o trabalho da Polícia Federal, que é subordinada ao Ministério da Justiça, Moraes afirmou: “A independência da Polícia Federal deve ser total, nos termos estabelecidos pela Constituição Federal, para que possa prosseguir com esse bom trabalho que vem sendo realizado”.

Temer – No seu primeiro discurso como presidente interino, na quinta-feira, Michel Temer afirmou que a Operação Lava Jato deve ser protegida “contra qualquer tentativa de enfraquecê-la”. “Tomo a liberdade de dizer que a Lava Jato tornou-se referência.”

O ex-ministro Eugênio Aragão, antecessor de Moraes, chegou a dizer, em entrevista à Folha de S. Paulo, que trocaria toda a equipe de investigação em caso de “cheiro de vazamento”. Daiello está na PF desde 1995 e foi promovido a diretor-geral em 2011.

(Com Estadão Conteúdo)