Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ministério dos Direitos Humanos chega a Roraima para apurar crise ianomâmi

Comitiva do governo quer fazer diagnóstico das violações de direitos humanos contra os indígenas

Por Da Redação
Atualizado em 29 jan 2023, 20h42 - Publicado em 29 jan 2023, 20h27

Uma comitiva do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania chegou a Boa Vista, em Roraima, neste domingo, 29, para apurar a crise que atinge a Terra Indígena Yanomami.

Segundo a secretária-executiva do ministério, Rita Oliveira, o objetivo é fazer um diagnóstico das violações de direitos humanos contra os ianomâmis, checar as condições dos equipamentos públicos locais, verificar o funcionamento do sistema nacional de garantias da criança e do adolescente, além de mapear as pessoas que precisam ser incluídas no sistema de proteção do ministério com urgência. 

Além da secretária-executiva, fazem parte da comitiva o secretário nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Ariel de Castro Alves, a secretária nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Isadora Brandão, e o ouvidor nacional de Direitos Humanos, Bruno Renato.

Os membros do governo devem ficar em Roraima até o dia 2 de fevereiro e vão se reunir com lideranças ianomâmis, representantes da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), promotores de Justiça e defensores públicos. 

Continua após a publicidade

O ministério também informou que articula uma parceria com a Central Única das Favelas (Cufa) e a Frente Nacional Antirracista (FNA) para viabilizar ações emergenciais. 

Como VEJA mostrou, os ianomâmis vivem uma crise de saúde pública e subnutrição potencializadas pela expansão da atividade garimpeira, que aumentou sob o governo de Jair Bolsonaro. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou um comitê para acompanhar o tema. O Ministério da Saúde também enviou médicos e enfermeiros do SUS para reforçar o atendimento aos indígenas. A mando do ministro da Justiça, Flávio Dino, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar possível crime de genocídio. Os alvos iniciais serão servidores que atuavam diretamente com ianomâmis, mas o caso pode chegar a ex-ministros e até ao ex-­presidente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.