Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ministério do Trabalho suspende pagamento de ONG e exonera servidor investigado pela PF

Medidas são uma reação à Operação da Polícia Federal; oito pessoas foram presas em fraude milionária, entra elas um assassor da pasta

Por Felipe Frazão 3 set 2013, 22h21

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) informou que suspendeu os pagamentos ao Centro de Atendimento ao Trabalhador (Ceat), ONG investigada pela Polícia Federal por desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro. Os recursos eram repassados pela pasta por meio de convênio. O ministério também afirmou ter exonerado Gleide Santos Costa, lotado na Secretaria de Políticas Públicas de Emprego que foi flagrado nesta terça-feira com propina de 30.000 reais em dinheiro, pagos pela diretoria do Ceat em São Paulo.

O convênio, que agora será auditado pelo Ministério, rendeu ao Ceat cerca de 47,5 milhões de reais desde 2009. Para a PF, parte do dinheiro foi desviada para o bolso dos dirigentes da entidade, que subcontratavam empresas registradas em seus nomes para prestar serviços nos centros de qualificação profissional e de gerenciamento de empregos mantidos pelo Ceat.

A pasta disse também ter aberto um procedimento administrativo disciplinar contra o assessor, que ocupava cargo em comissão. De acordo com delegados da PF, que não revelaram a identidade do funcionário, ele teria cerca de 20 anos de carreira no serviço público. O servidor assinou aditamentos irregulares no convênio do Ceat, diz a investigação.

As medidas do Ministério são uma reação à operação Pronto Emprego, deflagrada pela Polícia Federal em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. A sede do MTE foi alvo da investigação. A PF cumpriu dois mandados de busca e apreensão nas dependências da pasta. Ao todo, oito pessoas foram presas – o servidor público e mais sete diretores do Ceat, entre eles a presidente, Jorgette Maria de Oliveira.

O ministério disse, em nota, que “está cooperando com todas as investigações da Polícia Federal”. “Como o processo tramita em segredo de Justiça, o ministério encaminhou ofício ao diretor-geral da Polícia Federal solicitando informações acerca da investigação”, diz a nota.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês