Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Micheque’ bomba nas redes e provoca reação da família presidencial

Primeira-dama quer processar os detratores virtuais. Na mira estão políticos, artistas e até uma banda de rock

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 set 2020, 12h05 - Publicado em 27 set 2020, 12h05

Desde que veio à tona a informação de que a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, depositou em suas contas bancárias cheques repassados pelo ex-assessor Fabrício Queiroz, as redes sociais experimentaram uma explosão de memes, compartilhamentos e questionamentos relacionados ao assunto.

Um ponto em especial ganhou maior destaque: o codinome dado à primeira-dama passou a ser replicado em proporções impressionantes. Levantamento da consultoria Quaest mediu o alcance das publicações em que a primeira-dama foi chamada de “Micheque” – uma conjunção entre o nome dela e o formato dos 89 000 reais depositados em sua conta bancária.

Entre 22 de agosto e 21 de setembro, houve quase 9 milhões de publicações em que Michelle foi chamada da forma pejorativa nas mídias sociais. A maior parte das menções foi feita no Twitter. O levantamento considera também postagens no Facebook e no Instagram.

Somente no dia 24 de agosto, foram 2.188.400 publicações em que a palavra “Micheque” foi registrada. No dia anterior, um domingo, o presidente Jair Bolsonaro se irritou com a pergunta de um repórter sobre o motivo dos depósitos e disse que tinha “vontade de encher a tua boca de porrada”. Foi o gatilho para as redes reagirem.

Continua após a publicidade

Um novo impulsionamento do “Micheque” se deu dois dias depois, e novamente após um arroubo de Bolsonaro. No dia 26 de agosto, o presidente chamou um jornalista de “otário” após ser novamente questionado sobre os cheques que totalizaram 89 000 reais pagos por Queiroz para a primeira-dama. Naquela quarta-feira, houve 2.120.100 publicações com o codinome.

“O ‘Micheque’ pegou”, afirma Felipe Nunes, cientista político e diretor do instituto. “A grande fragilidade de imagem do governo está associada à sua família. A campanha do ‘Micheque’ funcionou porque é produzida para a linguagem de internet, que é mais leve, simples e sarcástica”, avalia.

Conforme mostra reportagem de VEJA desta semana, assessores da família presidencial têm passado um pente-fino nas redes sociais montando um enorme acervo com todos os ataques que a primeira-dama sofreu nas últimas semanas. A primeira-dama que processar os detratores. Até uma banda de rock está na mira.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.