Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mensalão: Lewandowski vota sobre crimes de lavagem

Revisor do processo analisa nesta quarta o trecho da denúncia que trata dos artifícios usados pelo Banco Rural e por Marcos Valério para esconder repasses

O Supremo Tribunal Federal (STF) chega nesta quarta-feira ao 22º dia de julgamento do mensalão. Em pauta, está a sequência de crimes de lavagem de dinheiro cometidos por dez réus ligados ao Banco Rural e às empresas de Marcos Valério de Souza, os chamados núcleos financeiro e publicitário do esquema.

São dez os réus julgados neste capítulo do relatório: Marcos Valério, Cristiano Paz, Ramon Hollerbach, Simone Vasconcellos, Geiza Dias, Rogério Tolentino, Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório. O revisor do processo, Ricardo Lewandowski, deve dedicar a sessão à apresentação de seu voto sobre esse trecho da denúncia.

Infográficos:

Entenda o escândalo do mensalão

Acompanhe o placar da votação, réu a réu

Na sessão anterior, de segunda-feira, o relator Joaquim Barbosa considerou todos os réus culpados pelo crime de lavagem de dinheiro. Mas acabou livrando Ayanna Tenório, ex-vice-presidente do Banco Rural, porque ela foi absolvida pelo STF do crime de gestão fraudulenta. Se ela foi considerada inocente por este crime, argumentou Barbosa, a acusação de lavagem cai automaticamente – mesmo que, pessoalmente, ele veja crime na atuação de Ayanna.

Os crimes analisados neste capítulo do processo tratam de manobras para esconder as transações financeiras que abasteceram o mensalão – o que inclui 32 milhões de reais repassados pelo Banco Rural por meio de empréstimos fraudulentos.

Após o voto de Lewandowski, será a vez de os outros ministros se pronunciarem sobre a culpa dos réus. O mais provável é que a participação de todos os integrantes da corte se encerre apenas na próxima segunda-feira.

Depois desse capítulo, o Supremo Tribunal Federal vai analisar as acusações contra deputados federais de PR, PP, PTB e PMDB que receberam o mensalão para votar com o governo Lula. Este será o quarto dos sete itens da denúncia.