Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mensalão e taxas municipais marcam debate polarizado entre Serra e Haddad

José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT) evitaram confronto direto. Petista teve de responder sobre o mensalão e a aliança com Paulo Maluf

Por Cida Alves e Thaís Arbex
3 ago 2012, 01h11

No primeiro debate na TV entre os candidatos à prefeitura de São Paulo, realizado na noite desta quinta-feira na Band, os candidatos do PSDB, José Serra, e do PT, Fernando Haddad, evitaram o confronto direto e trocaram farpas apenas quando o assunto foi a criação de impostos municipais.

Leia também:

Veja como foi o primeiro debate em São Paulo

Continua após a publicidade

Serra lidera as pesquisas de intenções de voto e marcou 30% no último Datafolha. Haddad até agora não atingiu dois dígitos, e tem 7%. O candidato do PRB, Celso Russomanno, que teve participação discreta no debate de hoje, tem 26%. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

O tucano aproveitou para citar a taxa do lixo, criada pela ex-prefeita Marta Suplicy (PT). “Eliminamos a mal fadada taxa do lixo, que era odiada pela população”, afirmou.

O petista tentou reagir usando a inspeção veicular, cobrada na gestão do atual prefeito Gilberto Kassab (PSD), afilhado político do tucano. “A troca da taxa do lixo pela do carro [da inspeção veicular] não foi boa”, disse. O tucano rebateu: “A taxa do lixo não foi substituída por nada, ela foi uma aberração”.

Continua após a publicidade

Mensalão – Haddad foi pressionado a responder sobre a carga de concorrer pela primeira vez a um cargo público no ano do julgamento do mensalão. Em suas respostas, o petista evitou a palavra mensalão e tentou colar sua candidatura aos nomes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff. “Tenho uma história. Fui professor de ética”.

O petista também foi questionado sobre sua aliança com o ex-prefeito Paulo Maluf. “As alianças são feitas com os partidos”, insistiu Haddad em sua resposta padrão sobre o tema.

O candidato do PMDB, Gabriel Chalita, tentou um meio termo, apresentando-se como aliado tanto da presidente Dilma Rousseff quanto do governador Geraldo Alckmin (PSDB), de quem foi secretário estadual de Educação.

Continua após a publicidade

A participação dos candidatos nanicos – foram oito candidatos no total – fez com que o debate durasse três horas. A maioria dos convidados deixou o estúdio antes do final, entre eles o governador Geraldo Alckmin e o prefeito Gilberto Kassab.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.