Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MDB diz que, ‘no curto prazo’, não será opositor nem aliado de Bolsonaro

Em sua conta oficial no Twitter, partido fala em 'independência ativa' em relação ao novo governo e defende diálogo com o presidente 'caso a caso'

O MDB, partido do presidente Michel Temer, anunciou nesta segunda-feira, 3, que vai manter uma “independência ativa” em relação ao governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e, no curto prazo, não fará nem oposição nem integrará a base aliada. “Discutiremos caso a caso”, diz mensagem publicada na conta oficial da sigla no Twitter.

“A partir de 1º de janeiro, o MDB manterá uma independência ativa. Apoiando medidas que buscam o crescimento do país, gestão eficiente e responsabilidade fiscal”, afirma o partido presidido pelo senador Romero Jucá (RR), que não se reelegeu neste ano.

Em outra mensagem publicada na rede social, o MDB defende que seus parlamentares dialoguem com o governo eleito. “Nós, enquanto partido, já deixamos nossa contribuição em forma de propostas para que os avanços que conquistamos na economia se mantenham”, diz a legenda, em relação às medidas do governo Temer.

Jair Bolsonaro e seus aliados têm adotado a estratégia de ouvir representantes de frentes parlamentares temáticas, como as bancadas ruralista, evangélica e da saúde, para escolher os ministros de seu governo. O presidente eleito busca, assim, reunir apoio no Congresso sem ter de ceder ao toma lá dá cá partidário, que ele rechaçou durante toda a campanha política barganha na qual o MDB se notabilizou nos governos Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT).

Neste cenário de partidos relegados nas tratativas para a formação do governo, o deputado federal Osmar Terra, do MDB do Rio Grande do Sul, foi escolhido por Bolsonaro para comandar a pasta da Cidadania, fruto da fusão entre Desenvolvimento Social, Cultura, Esporte e de partes do Trabalho.

A indicação de Terra, ex-ministro de Michel Temer, contudo, é vista como da “cota pessoal” do pesselista, e não uma indicação dos emedebistas, mesma interpretação adotada em relação aos três futuros ministros que são filiados ao DEM, sigla que ainda não decidiu se integrará oficialmente a base aliada: Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Tereza Cristina (Agricultura) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde).