Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Marta Suplicy pede demissão do Ministério da Cultura

Senadora petista entregou nesta terça-feira à presidente Dilma Rousseff uma carta na qual cobra resgate de 'confiança e credibilidade'

Por Gabriel Castro, de Brasília 11 nov 2014, 10h41

‘Desejamos que a senhora seja iluminada ao escolher sua nova equipe de trabalho, a começar por uma equipe econômica independente, experiente e comprovada, que resgate a confiança e credibilidade ao governo’

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, pediu demissão nesta terça-feira. Ela entregou à Casa Civil da Presidência da República uma carta na qual informa sua decisão de deixar o cargo. Após a confirmação de que Guido Mantega não permanecerá na Fazenda no próximo ano, esta é a primeira troca confirmada na equipe ministerial.

Apesar de agradecer à presidente Dilma Rousseff pela oportunidade e de exaltar o próprio trabalho à frente da pasta, Marta menciona na carta as “inúmeras demandas e carências orçamentárias” do ministério. “Em meio a inúmeras demandas e carências orçamentárias do Ministério da Cultura, focamos nosso trabalho em valores que nos são preciosos”, disse.

No texto, a ministra demissionária também diz esperar que o governo resgate “a confiança e a credibilidade”. “Todos nós, brasileiros, desejamos, neste momento, que a senhora seja iluminada ao escolher sua nova equipe de trabalho, a começar por uma equipe econômica independente, experiente e comprovada, que resgate a confiança e credibilidade ao seu governo e que, acima de tudo, esteja comprometida com uma nova agenda de estabilidade e crescimento para o nosso país”, afirmou.

Leia também: PT e PSDB já preparam disputa pela prefeitura paulistana

Distância – A forma como a demissão ocorre, sem um encontro presencial com Dilma, mostra como Marta nunca foi uma figura próxima à presidente. A senadora chegou ao ministério em setembro de 2012, no lugar de Ana de Hollanda. Na época, Dilma atendeu a um pedido do ex-presidente Lula, que buscava agradar Marta em troca do engajamento dela na campanha do então candidato a prefeito Fernando Haddad (PT). Além disso, com a ida da petista para o governo, o PR ganhou uma cadeira no Senado: o suplente dela é Antonio Carlos Rodrigues, que exerceu o mandato nesse período.

Marta volta ao Senado no momento em que o também petista Eduardo Suplicy (SP) deixa a Casa. Ele perdeu o posto para José Serra (PSDB-SP) nas eleições deste ano. Como os tucanos também possuem a cadeira de Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), o PT ficaria sem um nome na bancada paulista da Casa.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)