Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Marqueteiro João Santana reajusta valores para campanha de Ciro ‘jovem’

Delator da Lava-Jato ampliou cobrança de valores após inserção de propaganda na TV – novo aumento está previsto para início do programa eleitoral

Por Laryssa Borges Atualizado em 24 abr 2022, 19h56 - Publicado em 23 abr 2022, 12h23

Expoente entre os delatores da Lava-Jato e responsável pelas campanhas vitoriosas de Lula  e Dilma Rousseff de 2006 a 2014, o publicitário João Santana reajustou no último mês o contrato de marketing que tenta apresentar ao público o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), terceiro colocado nas pesquisas de intenção de votos, como a personificação da mudança entre os presidenciáveis eleitos e um político talhado para o público jovem.

Desde abril do ano passado, Santana, marqueteiro oficial da pré-campanha de Ciro, cobrava 250.000 reais mensais para a produção da imagem e das redes sociais do pedetista, incluindo o bem-sucedido Ciro Games, programa em que o político entrevista convidados, critica de modo informal declarações de adversários e, em um cenário moldado como simulacro de videogames, apresenta suas ideias para um eventual mandato como chefe do Executivo federal. A partir de março passado, porém, os valores desembolsados pelo PDT chegaram a 315.000 mensais por incluir agora as inserções de propaganda nacional partidária na TV. A sigla tinha direito a 40 inserções distribuídas entre os dias 1º e 8 de março, sendo dez informes por dia.

Com a necessidade de maior produção de pesquisas qualitativas e a chegada da propaganda eleitoral no rádio e na televisão, o presidente do PDT Carlos Lupi disse a VEJA que os honorários deverão ser reajustados mais uma vez e terá de negociar os valores a serem cobrados por João Santana e possivelmente parcelar a quitação do débito. As propagandas políticas de candidatos a presidente no rádio e na TV serão exibidas nos 35 dias anteriores à antevéspera do primeiro turno da eleição às terças, quintas e sábados.

Condenado na Lava-Jato por lavagem de dinheiro e hoje em regime aberto de cumprimento de pena, João Santana disse, em seus depoimentos de colaboração com a Justiça, que Dilma Rousseff deu um calote a ele no valor de 20 milhões de reais. A cifra era referente às campanhas de 2010 e 2014 e seriam honradas por meio de caixa dois. Nas delações da operação policial, o operador Zwi Skornicki e o ex-bilionário Eike Batista foram indicados pelos petistas como nomes a serem procurados para a solução do passivo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)