Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Milicianos mataram Marielle por causa de grilagem, afirma general

Richard Nunes, secretário da Segurança Pública do RJ durante intervenção, afirmou que criminosos "superestimaram" papel da vereadora do Psol

O general Richard Nunes, secretário da Segurança Pública do Rio de Janeiro, afirmou que a vereadora Marielle Franco (Psol) foi morta porque milicianos acreditaram que ela podia atrapalhar os negócios ligados à grilagem de terras na zona oeste da capital. Segundo afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Pauloo crime  que também vitimou o motorista Anderson Gomes estava sendo planejado desde 2017, muito antes de o governo federal decidir decretar a intervenção federal no estado.

O assassinato aconteceu em 14 de março deste ano, cerca de um mês depois de o governo federal intervir na segurança pública do RJ . “O que entendo hoje é que os criminosos superestimaram o papel que a vereadora poderia desempenhar”, afirma o general, para quem o crime não foi uma afronta à intervenção. Ele, entretanto,  acredita que o crime tomou uma proporção maior por ter sido cometido neste contexto.

De acordo com o general, Marielle atuava em área do Rio de Janeiro controlada por milicianos, que tinham interesses econômicos de várias ordens. “No momento em que determinada liderança política, membro do Legislativo, começa a questionar as relações que se estabelecem naquela comunidade, afeta os interesses daqueles grupos criminosos. É nesse ponto que a gente precisa chegar, provar essa tese, que está muito sólida. O que leva ao assassinato da vereadora e do motorista é essa percepção de que ela colocaria em risco naquelas áreas os interesses desses grupos criminosos”, afirmou o secretário

“A milícia atua muito em cima da posse de terra e assim faz a exploração de todos os recursos. E há no Rio, na área oeste, na baixada de Jacarepaguá problemas graves de loteamento, de ocupação de terras. Essas áreas são complicadas”, disse Richard Nunes. Ele também avalia que Marielle poderia provocar “uma conscientização daquelas pessoas sobre a posse da terra. Isso causou instabilidade e é por aí que nós estamos caminhando. Mais do que isso eu não posso dizer.”

Richard Nunes não garante que os envolvidos no caso estarão presos até o dia 31 de dezembro, quando termina a intervenção. “O erro é anunciar precipitadamente e essas pessoas virem a ser inocentadas por um inquérito mal concluído.  Não sou um ator político, até porque continuo no Exército, vou seguir minha vida. Para mim, o mais grave seria tentar, de forma precipitada, apresentar alguns nomes que no futuro não sejam condenados. Centenas de depoimentos foram colhidos. Há 19 volumes de investigação. Nossa expectativa é resolver.” O secretário acredita que alguns suspeitos podem já estar mortos. “Queima de arquivo ainda é difícil de caracterizar. Mas porque são pessoas que vivem da prática de crimes com certa frequência estão mais sujeitos a esse tipo de desfecho”, completou.

Para o general, as milícias se equivalem ao tráfico de drogas. “O que há de perigoso nas milícias é o modo como ela explora determinadas atividades. Ela é mais insidiosa. Porém, facções de tráfico têm adotado práticas de milícia e vice-versa. Então, como secretário de segurança, não há como estabelecer um grau de risco diferenciado. No momento em que a milícia passa a aceitar o tráfico de drogas na comunidade de sua presença e quando o traficante também se dedica a modalidades de crimes semelhantes ao que a milícia tem realizado, para mim o cenário indica que temos de combater ambos esses movimentos criminosas com a mesma intensidade”, contou.