Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Manifestantes, agora, mandam nos vereadores do Rio

Grupo que acampou na Câmara Municipal impede trabalhos do Legislativo, determina quem pode entrar no prédio e limita a cobertura dos jornalistas

Por Cecília Ritto 15 ago 2013, 06h11

Apelidada de “Gaiola de Ouro”, dada a fama de leniência e pouca produtividade angariada ao longo dos anos, a Câmara Municipal do Rio não chega a ser um exemplo de competência no Legislativo, sendo notada mais por escândalos do que por contribuições à população da cidade. Desde a última sexta-feira, no entanto, o Palácio Pedro Ernesto está no centro das atenções – também não por méritos próprios. Ocupada por 200, 100, 80 e, agora, 11 manifestantes, a casa dos vereadores do Rio tornou-se um exemplo extremo do que o radicalismo pode fazer com as instituições. O grupo, que se rebelou contra a forma como foi montada a CPI dos Ônibus – dominada por integrantes do PMDB, aliados do prefeito Eduardo Paes – passou a mandar no funcionamento da Casa, e agora quer impor sua vontade aos parlamentares. Querem – e conseguem – também determinar como e quando a imprensa pode cobrir o que acontece dentro e fora do prédio.

Leia mais:

Polícia Civil investigará atuação da PM em protesto no Rio

Protesto no Palácio Guanabara termina em tumulto

Na tarde desta quarta-feira, o que acontecia do lado de fora do prédio era, curiosamente, coerente com a situação absurda que se via no plenário. Manifestantes arremessavam pedras e ovos, fazendo entre as vítimas o vereador Luiz Carlos Ramos (PSDC) e uma senhora que passava pelo local. Quem tentava sair tornava-se alvo dos ataques, sem que se entendesse exatamente o motivo do protesto violento. Dentro da casa, acuados, os vereadores, liderados pelo presidente da Câmara, Jorge Felippe (PMDB) tentavam negociar com os manifestantes alguma forma de poder, enfim, iniciar os trabalhos da CPI. Um dos pedidos dos manifestantes, e que os vereadores tendem a aprovar, é a realização da reunião da comissão no plenário, com acesso liberado ao público – ou seja, a ocupação pode voltar a crescer, pelo que indica o comportamento dos lá acampados.

Os últimos acontecimentos servem para reforçar alguns conceitos sobre as manifestações. A democracia, para quem está ocupando a Câmara, consiste em barrar todo tipo de opinião contrária. Pode circular tranquilamente quem é identificado como partidário do PSOL – e só. O mesmo acontece ao redor do prédio, na Cinelândia. O cerco ao longo desta quarta-feira incluiu intimidação de jornalistas e ameaças a um profissional do jornal O Globo. Os jornalistas de outros veículos foram xingados e chamados de fascistas. Para o grupo instalado à força no Palácio Pedro Ernesto, a Mídia Ninja é a verdadeira imprensa.

Reinaldo Azevedo: Na cobertura da baderna em São Paulo e no Rio de Janeiro, a imprensa terá de escolher se defende os valores democráticos ou vandaliza

Os vereadores têm dado sua contribuição para a situação bizarra. As exigências dos manifestantes de que “só a Mídia Ninja” pode entrar e acompanhar algumas reuniões são sempre atendidas. A exceção foi, na terça-feira, quando Felippe ameaçou chamar a polícia caso os jornalistas de outros veículos não pudessem ter acesso ao encontro. Na quarta, no entanto, a reunião entre os vereadores e os manifestantes pôde ser transmitida somente pelos ninjas. “Houve uma pequena discussão entre nós porque perguntei se eles, manifestantes, permitiriam o acesso da imprensa. Acho que a transparência se faz com a participação dos meios de comunicação. Eles insistiram em não receber porque queriam na reunião apenas a Mídia Ninja”, afirmou Felippe.

Continua após a publicidade

Desde sexta-feira, os diálogos não avançam e prevalece a vontade dos acampados. “Parece cachorro correndo atrás do rabo. É sempre a mesma coisa”, reclamou o presidente da Casa, sobre os manifestantes. O grupo que ocupa a Câmara disse no começo da tarde de quarta-feira que não falaria com a imprensa. Depois da reunião com Felippe, os manifestantes quiseram dar a sua versão. “Poderíamos ter permitido a entrada de vocês (imprensa), mas precisaríamos de uma deliberação”, disse um dos acampados. Atualmente, todos se apresentam como “Amarildo” – uma forma de não revelar os nomes verdadeiros e de lembrar o caso do pedreiro desaparecido há um mês na Rocinha, depois de ser levado pela Polícia Militar para a sede da UPP daquela favela.

Leia também:

Black Bloc planeja endurecer manifestações no Rio

Na reunião de quarta, pouco se definiu. Nesta quinta-feira, está marcada para as 10 horas a segunda reunião da CPI dos Ônibus, quando os integrantes da comissão terão acesso aos documentos do Tribunal de Contas do Município relativos à licitação dos ônibus e farão uma lista de quem deve ser ouvido. Se confirmada a realização da reunião no plenário da Casa, haverá espaço para 140 pessoas – 70 em cada galeria. Para as outras reuniões da CPI, serão instalados telões do lado de fora da Câmara para que os manifestantes que não conseguirão entrar na Casa acompanhem as decisões.

A câmera que filmava as galerias do plenário, onde os manifestantes ficam durante as tardes, foi quebrada na ocupação. O grupo que protesta dentro da Câmara usa pulseiras verdes para que, depois das sessões, possa retornar ao plenário.

Leia também:

Protesto de professores dá nó no trânsito da Zona Sul

Cabral e Paes revogam decisões para conter protestos

Protesto na Alerj cobra solução para sumiço de Amarildo

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês