Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Manifestação contra cartel reúne mil pessoas em São Paulo

Protesto contra denúncias de corrupção nos transportes públicos acabou se tornando ato contra a gestão do governador Geraldo Alckmin

Por Jean-Philip Struck - 14 ago 2013, 17h41

O protesto contra a existência de um suposto cartel em licitações de metrô e trens em São Paulo reúne mil pessoas no centro da capital paulista, segundo a Polícia Militar. O ato acabou dominado por sindicalistas e militantes de partidos de extrema esquerda, que exibiram faixas pedindo a saída do governador Geraldo Alckmin e queimaram um boneco representando o tucano.

O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres, responsável pela convocação do protesto, afirmou que, como Alckmin é o chefe do governo paulista, é natural que ele se torne alvo. Mas Prazeres voltou a afirmar que o protesto é contra a corrupção no transporte público. Também foi exibida uma faica criticando o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e o PT.

Até às 18h20, não foram registrados incidentes nem depredações. O ato segue por ruas do centro e deverá terminar na Praça da Sé. Policiais também patrulham a região da Avenida Paulista.

Assembleia – Outro protesto foi convocado exclusivamente pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) para acontecer hoje na frente da Assembleia Legislativa de São Paulo. Os manifestantes pedirão aos deputados estaduais a abertura de uma CPI para investigar as denúncias de cartel.

Publicidade

Leia também:

Black Bloc planeja endurecer manifestações no Rio

(Atualizada às 18h20)

Publicidade