Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mandetta perde popularidade digital após entrevista ao ‘Fantástico’

Bolsonaro, por outro lado, conseguiu recuperar a mobilização nas redes sociais com o debate de 'economia versus saúde'

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 16 abr 2020, 08h46 - Publicado em 15 abr 2020, 14h51

Uma das razões que seguraram o ministro da Saúde,  Mandetta, no cargo até esta quarta-feira, 15, foi a sua popularidade crescente. Com mais do que o dobro de aprovação em relação ao presidente Jair Bolsonaro na condução da crise de coronavírus, Mandetta ganhou o apoio até em panelaços na semana passada, quando esteve prestes a ser demitido pelo chefe do Executivo.

Os ventos começaram a mudar nesta semana, após a entrevista que ele deu no domingo 12 ao programa Fantástico, da TV Globo, na qual deixou clara a sua discordância com o presidente. Segundo uma pesquisa da consultoria Quaest, a partir de então, o seu índice de popularidade digital caiu de 50 para 44 até esta quarta-feira. Já o de Bolsonaro subiu no mesmo fim de semana e permanece estável desde então, em 78. O índice calcula as menções positivas e negativas, os número de seguidores e compartilhamentos e as buscas pelos nomes no Twitter, Facebook, Instagram, Wikipedia, Youtube e Google.

A queda recente de Mandetta é pequena, se comparada ao crescimento que ele acumula desde fevereiro, quando passou de um ministro desconhecido para um dos mais populares do governo, ficando à frente até dos ministros até então mais importantes como Sergio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia) em relação a citações na internet. O movimento, no entanto, é revelador neste momento em que Bolsonaro está mais do que decidido a apeá-lo do posto.

“A avaliação é que Mandetta exagerou na dose. E Bolsonaro conseguiu agrupar seus aliados e voltou a ter alta mobilização nas redes em torno de debate economia versus saúde”, analisa Felipe Nunes, professor de Ciência Política da UFMG e diretor da Quaest. Não é desprezível também a ação de perfis bolsonaristas que vinham desde a semana tentando manchar a imagem de Mandetta.

Continua após a publicidade

Além da popularidade digital, o ministro da Saúde também contava com o apoio da ala militar, que convenceu Bolsonaro a mantê-lo no posto na semana passada. Mas a entrevista ao Fantástico não foi bem vista por alguns militares que trabalham no Planalto, que a interpretaram como uma “quebra de hierarquia”.

Diferente do que deseja o presidente, Mandetta, no entanto, não deve sair dos holofotes tão cedo – o governador de Goiás Ronaldo Caiado (DEM) já o convidou a assumir a Secretaria de Saúde do estado. Aliás, a entrevista que ele deu no domingo foi feita no Palácio das Esmeraldas, sede do governo goiano. Talvez, já era um sinal de que a sua estadia em Brasília estivesse chegando ao fim.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.