Clique e assine a partir de 8,90/mês

Mais um secretário Kassab é citado em investigação do ISS

Segundo testemunhas, Antonino Grasso, o Nino, solicitava favores ao grupo na arrecadação do IPTU. Atual subprefeito de Haddad, ele nega as acusações

Por Da Redação - 19 nov 2013, 07h11

Mais um secretário da gestão do ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) foi relacionado à quadrilha de servidores municipais acusados de cobrar propina para fraudar o pagamento de impostos e beneficiar construtoras na cidade. Segundo depoimento de uma testemunha protegida pelo Ministério Público Estadual (MPE), Antonino Grasso, o Nino, solicitava favores ao grupo de auditores fiscais na arrecadação de imposto predial e territorial urbano (IPTU) e teria dado dinheiro a um dos suspeitos. Atualmente, Nino é subprefeito interino de Pinheiros, indicado por seu partido, o PV, ao prefeito Fernando Haddad (PT). Ele nega as denúncias.

Nino foi secretário municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida entre abril e outubro de 2012. Chefe de gabinete da Subprefeitura de Pinheiros desde junho, ele é o segundo nome do primeiro escalão da gestão Kassab a ser citado – o outro é o ex-secretário municipal de Finanças, Walter Aluísio Morais Rodrigues, além de seu adjunto, Silvio Dias. A Controladoria Geral do Município (CGM) vai apurar se Nino praticou irregularidades.

Segundo a testemunha, o verde “conversava muito com Ronilson [Bezerra Rodrigues, apontado como líder da quadrilha] e [Eduardo Horle] Barcellos [fiscal acusado] na Secretaria de Finanças”, diz o relato, que faz parte do procedimento investigatório criminal (PIC) do Ministério Público.

Leia também:

MP investiga empresa da mulher de Jilmar Tatto

Vereador Aurélio Miguel recebeu dinheiro, diz auditor

Fiscal diz que secretário de Haddad recebia mesada

Fiscal da máfia do ISS quebrou sigilo de Palocci, diz testemunha

Continua após a publicidade

A testemunha disse também que Nino solicitava favores a Barcellos na arrecadação de IPTU. “Em um caso concreto”, segue o depoimento, “ele solicitou algo para Barcellos, que acabou não sendo atendido como deveria. Houve autuação e Nino terminou por solicitar auxílio de Ronilson na defesa do Conselho de Tributos. Ronilson lhe contou que Nino já havia pago algum valor para Barcellos, embora esse tenha negado o recebimento”, diz o relato.

É a segunda vez que Nino é citado ao longo da investigação. A primeira foi em 31 de outubro, no depoimento da servidora Paula Sayuri Nagamati, ex-chefe de gabinete da Secretaria de Finanças. Ela já havia contado que Nino pediu ajuda a Rodrigues no conselho, que julga controvérsias tributárias. Paula disse não saber se havia sido feito algum pagamento pela defesa.

Nino permaneceu na prefeitura sob o comando de Haddad por indicação do PV, partido aliado do prefeito petista até a votação de reajuste do IPTU na Câmara Municipal, no fim de outubro. Na ocasião, apenas Ricardo Teixeira, que havia deixado a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente para participar da sessão, votou a favor. Outros três foram contra. Teixeira voltou a ser titular da secretaria.

Ninho – A testemunha, que seria amiga de Ronilson Rodrigues, disse ao MPE que frequentava o “ninho da corrupção” – nome dado pelos investigadores à sala comercial do Largo da Misericórdia, no centro, utilizada pela quadrilha e de propriedade de Marco Aurélio Garcia, irmão do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia (DEM), ex-sócio de Kassab.

A mesma testemunha afirmou que Walter Aluísio, secretário de Finanças entre 2008 e 2011, também frequentava o “ninho” da quadrilha, e que Silvio Dias pedia a Ronilson Rodrigues “que verificasse o andamento de alguns processos administrativos”.

Outro lado – O subprefeito interino de Pinheiros da gestão Haddad negou a denúncia feita em depoimento ao Ministério Público. Ele disse que mantinha apenas “relação institucional” com Ronilson Bezerra Rodrigues e Eduardo Horle Barcellos. “Absolutamente. Nunca pedi nenhum favor ao Conselho Municipal de Tributos. Isso não existe”, disse Antonino Grasso, o Nino, que faz parte do grupo político do PV encabeçado pelo deputado federal José Luiz França Penna, presidente nacional do partido.

O verde admitiu, porém, que sabia da existência de uma investigação sobre auditores da secretaria de Finanças. “Era público e notório na prefeitura que existia uma investigação”, afirmou Nino. “Eu não tenho nada com isso.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade