Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Mais 4 morrem em Salvador e número de vítimas das chuvas chega a 19

Encosta soterrou moradores da cidade baixa, região pobre da capital baiana. Prefeitura apela para que famílias abandonem casas em área de risco

Por Da Redação 11 Maio 2015, 10h58

Mais quatro pessoas morreram soterradas em um deslizamento de terra na Rua Coronel Pedro Ferrão, em Salvador (BA), em decorrência do forte temporal que atingiu a capital baiana durante a madrugada e a manhã de domingo. O local do deslizamento fica nas proximidades da Rua Nilo Peçanha, em uma área pobre conhecida como Baixa do Fiscal, na Cidade Baixa de Salvador.

Com as mortes deste domingo, chega a dezenove o número de vítimas fatais de tempestades em Salvador nas duas últimas semanas. Onze pessoas morreram no dia 27 de abril por causa de um deslizamento de terra na comunidade do Barro Branco e outras quatro no Marotinho, bairro do Bom Juá. A cidade de Salvador ainda está em estado de alerta, segundo a Defesa Civil, por causa da previsão de mais chuvas no início desta semana.

Neste domingo, cinco casas foram soterradas em uma encosta da Baixa do Fiscal. As vítimas foram identificadas como Delci Barreto Venas, de 64 anos; Sandra Santos, de 34; e Sival Silva Santana, de 28 anos, segundo a Defesa Civil. Sandra e Sival são irmãos. Lucas Silva Santana, de 14 anos, filho de Sandra, não resistiu aos ferimentos após ser resgatado com ferimentos e morreu na manhã desta segunda-feira em um hospital. Ele ficou soterrado nos escombros e foi resgatado pelo Corpo de Bombeiros após oito horas de buscas. Os bombeiros resgataram cinco sobreviventes na mesma área e encerraram as buscas na noite de domingo.

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), fez um novo apelo para que as famílias que moram em áreas de risco deixem suas casas. Em comunicado, a prefeitura disse que vai garantir a concessão do aluguel social (aporte mensal de 300 reais, por até um ano) e do auxílio-emergência (até três salários mínimos, para perdas materiais) a quem sair das residências ameaçadas. De acordo com a prefeitura, desde abril foram aprovados 774 pedidos de aluguel Social e 96 de auxílio-emergência.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade