Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maia não vê ‘maldade’ em fala de Bolsonaro sobre o poder da caneta

'Vamos manter o ambiente distensionado', disse ele; presidente afirmou que prerrogativa de editar decretos o torna mais poderoso do que o chefe da Câmara

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), minimizou nesta quarta-feira, 29, a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que teria mais poder do que o deputado por “ter a caneta” e ter a prerrogativa de editar decretos. Para Maia, não houve maldade na fala do governante.

“Ele fala da questão do decreto na importância que um bom decreto tem na regulamentação de projetos de lei, não tem maldade nenhuma não. Não vamos criar maldade onde não existe”, disse Maia. “Não vou ficar entrando em uma frase que eu sei qual foi o contexto que ele falou para mim e eu não vi maldade nenhuma. Vamos manter o ambiente distensionado, em que o brasileiro olhe para a gente e saiba que estamos preocupados em recuperar o país.”

Bolsonaro fez a declaração sobre o poder da caneta ao comentar na terça-feira 28 o que foi dito no café da manhã que teve com os chefes dos outros Poderes. “Eu disse ao Rodrigo Maia: com a caneta eu tenho muito mais poder do que você. Apesar de você, na verdade, fazer as leis, né? Eu tenho o poder de fazer decretos. Logicamente, decretos com fundamento”, relatou o presidente.

Veja também

 

 

‘Pacto’

Na reunião, da qual também participaram o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, foi proposto um pacto entre os Poderes “pelo crescimento do país”. Maia disse que só assinará o documento se tiver o aval das lideranças da Câmara.

“Vou discutir com deputados os textos para ver o que eu posso assinar em nome da Casa. Se tiver a maioria dos líderes, pelo menos, porque eu tenho que representar a maioria num documento que seja assinado pela Câmara”, disse.

Bolsonaro na Câmara

Maia esteve na Câmara por pouco mais de meia hora na manhã desta quarta porque Bolsonaro foi à Casa para acompanhar uma sessão solene em homenagem ao comediante Carlos Alberto de Nóbrega. O chefe do Executivo foi a pé do Palácio do Planalto ao Congresso.

De acordo com Maia, a visita de Bolsonaro ao Congresso não havia sido confirmada previamente. “Havia a possibilidade, mas não estava confirmada”, disse. “Ele me ligou mais cedo e disse que vinha, mas veio rápido demais.”

Para Maia, o gesto mostra que há uma melhora no clima entre os mandatários. “É bom o presidente vir aqui, prestigiar o homenageado, a Câmara. A gente precisa mais de diálogo e proximidade do que de conflito. O Brasil está precisando”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Foi só coisa de criança boba.

    Curtir