Clique e assine a partir de 9,90/mês

Lula ‘insulta inteligência do povo’, afirma Ciro Gomes

Ex-ministro do governo petista critica a narrativa de ‘perseguição política’ reproduzida por Lula

Por Da Redação - Atualizado em 15 set 2017, 11h09 - Publicado em 15 set 2017, 10h16

Ministro durante o governo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e atual pré-candidato à Presidência da República em 2018 pelo PDT, Ciro Gomes fez nesta quinta-feira, 14, duras críticas ao seu antigo aliado. “Não é possível insultar a inteligência do povo brasileiro e manter essa narrativa [de perseguição política]”. Segundo ele, a narrativa de Lula fez com que a população perdesse a confiança nos partidos de esquerda. “Eu não falo isso sem dor no coração”, lamentou.

Ciro lembrou que o ex-presidente passa por um período de dificuldades e que não pretende tomar a iniciativa de agravar ainda mais a situação. Porém, deixou claro que o posicionamento do Partido dos Trabalhadores de apoiar a candidatura de Eunício Oliveira (PMDB-CE) para a presidência do Senado enfraquece os argumento de que houve um golpe de estado no país, que culminou no impeachment da ex-presidente da República Dilma Rousseff (PT). O senador cearense foi um dos parlamentares a favor do impeachment.

“Nós estamos ferindo de morte a narrativa central de que ainda dava a nós alguma respeitabilidade na opinião pública progressista brasileira, que é a ideia de que o Brasil está sob um golpe de estado. Como é que eu posso então assistir na semana passada o Lula abraçado com [ex-presidente do Senado] Renan Calheiros (PMDB-AL), que era senador e votou pelo impeachment?”, afirmou o pedetista, que participou nesta quinta-feira, 14, de um evento no Rio.

Ciro Gomes também criticou a postura do PT na eleição para governador do Amazonas, quando apoiou a candidatura do senador Eduardo Braga, do PMDB.

Continua após a publicidade

Ciro tem se colocado como pré-candidato à presidência em 2018. Em entrevistas recentes, afirmou que só se candidataria se Lula não estivesse na disputa. Nesta quinta, Ciro reafirmou sua intenção em concorrer e disse acreditar que a presença do ex-presidente comprometeria o debate político.

Para Ciro Gomes, o Brasil precisa passar um amplo debate da atual crise política para que se possa construir novos caminhos e superá-la. A entrada de Lula na disputa, acredita, tornaria o debate “passional”. “O ambiente de ódios e paixões tira qualquer chance de o País ter um minuto de discussão sóbria do seu futuro”, afirmou.

Sobre a nova denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) encaminhada nesta quinta-feira, 14, pela Procuradoria Geral da República, o pedetista disse acreditar que ela terá o mesmo resultado da primeira: a Câmara não vai autorizar a abertura do processo. “Nós estamos com um problema grave, de que a maioria orgânica da Câmara brasileira é parte da quadrilha, um conjunto ramificado e quadrilheiro”, afirmou.

O pedetista acredita que a repulsa popular a essas práticas já está diminuindo o apoio a Temer. “[Os deputados]vão cobrar [pelo apoio] vai ser outra rodada pesada e eles [o governo] vão bancar”.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade