Clique e assine a partir de 9,90/mês

Lula chega a SP para acompanhar velório do neto Arthur, de 7 anos

Ex-presidente deixou superintendência da PF às 7h deste sábado

Por Da Redação - Atualizado em 2 mar 2019, 08h34 - Publicado em 2 mar 2019, 07h37

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) saiu de helicóptero da superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, por volta das 7h deste sábado, 2, para acompanhar o velório do neto Arthur Lula da Silva, de 7 anos. Da PF, o petista seguiu para o Aeroporto do Bacacheri, na capital paranaense, onde trocou de aeronave para viajar até São Paulo em um avião cedido pelo governo estadual.

Lula chegou ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, por volta das 8h30. O petista será escoltado até São Bernardo do Campo, onde se encontrará com familiares. A cerimônia acontece no Cemitério Jardim das Colinas. O velório teve início por volta das 22h de sexta e a cremação está prevista para o meio-dia deste sábado.

Arthur, de 7 anos, faleceu na manhã desta sexta, vítima de meningite. Lula foi autorizado pela juíza federal responsável pela execução de sua pena, Carolina Lebbos, a comparecer ao velório no cemitério em São Bernardo do Campo.

O velório da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro de 2017, foi realizado no mesmo local.

Continua após a publicidade

A defesa do ex-presidente solicitou sua ida à cerimônia com base no artigo 120 da Lei de Execução Penal, que prevê que os condenados obtenham permissão para sair do estabelecimento onde estão presos, sob escolta, em razão de “falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão”.

A operação para levar Lula ao encontro dos familiares é cercada de mistérios e de uma espécie de “pacto de silêncio”. No começo da tarde, Lebbos colocou a execução penal do ex-presidente no nível 4 de sigilo, que só permite que a própria juíza e alguns servidores possam acessá-la.

Ao longo do dia, advogados, políticos do PT, pessoas próximas ao ex-presidente e funcionários de diversos serviços se negaram a prestar informações sobre o itinerário e o roteiro da viagem do petista que permanecem, na maior parte, desconhecidos. Mesmo a Vigília Lula Livre, grupo que se manifesta rotineiramente em frente à carceragem da Polícia Federal, anunciou atividades reservadas nesta sexta, buscando garantir as “condições necessárias” para a libertação temporária do ex-presidente.

O governo do Paraná informou que, atendendo a um pedido da Polícia Federal, vai liberar um avião do poder público paranaense para que o ex-presidente viaje para São Paulo. Ainda não se sabe, contudo, se a aeronave será utilizada.

Continua após a publicidade

Lula está preso, desde 7 de abril de 2018, na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

Esta será a primeira vez que o ex-presidente deixará a sala especial da PF desde a prisão. Em janeiro, quando faleceu seu irmão, Genival Inácio da Silva, o Vavá, Lula não conseguiu comparecer por ter tido seus pedidos rejeitados por instâncias inferiores da Justiça.

Quando foi autorizado a encontrar seus familiares pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, já não havia mais tempo hábil para que o petista viajasse a São Paulo.

O ex-presidente Lula cumpre pena de doze anos e um mês de prisão condenado em primeira e segunda instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato, considerado culpado de receber benefícios indevidos da empreiteira OAS na posse oculta e reforma de um apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo.

Publicidade