Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Lula alega parcialidade de Moro e pede fim de ação sobre tríplex

Defesa lista situações em que juiz teria mostrado predisposição contra o petista, como a divulgação ilegal de gravações e ida a eventos com líderes do PSDB

Por Da redação 30 jan 2017, 12h40

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entraram na última sexta-feira no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) com um pedido de anulação do processo referente ao tríplex do Guarujá, no qual Lula é réu. A defesa do petista alega que a suspensão é necessária “em virtude de diversos atos que mostram que o juiz Sergio Moro perdeu a imparcialidade para julgar Lula.”

No recurso, assinado pelos advogados Cristiano Zanin, José Roberto Batochio, Roberto Teixeira e Juarez Cirino,  a defesa diz que o processo conta com “provas pré-constituídas” e relata algumas ações de Moro que justificariam a anulação do processo. Na lista estão a condução coercitiva do ex-presidente para depor – que, segundo eles, não teria previsão legal -, autorização de busca e apreensão sem observar a lei, além de interceptação telefônica e divulgação dos áudios das conversas do ex-presidente também em desacordo com a legislação.

Os advogados também alegam que Moro antecipou juízo de valor quando recebeu a denúncia e conduziu as audiências de instrução de modo a mostrar “inimizade” com o ex-presidente, participou de eventos com políticos de grupos políticos que fazem oposição ao ex-presidente – como o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) e o senador Aécio Neves (PSDB) – e fez manifestações de caráter político.

A denúncia

Segundo os procuradores, o ex-presidente recebeu benesses da empreiteira OAS – uma das que formavam cartel que pagava propinas na Petrobras – em obras de reforma no apartamento 164-A do Edifício Solaris, no Guarujá. O prédio foi construído pela Cooperativa Habitacional do Sindicato dos Bancários (Bancoop), que teve como presidente o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto – preso desde abril de 2015. O imóvel foi adquirido pela OAS, recebeu benfeitorias da empreiteira e teria sido oferecido a Lula. A ex-primeira dama Marisa Letícia também é ré nesse processo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês