Clique e assine a partir de 9,90/mês

Líder da Frente Evangélica sobre Olavo: ‘Muito desantenado da realidade’

Autor publicou nas redes que instituições como as igrejas evangélicas, católicas e a maçonaria são responsáveis por "tudo o que acontece de mau no Brasil"

Por Eduardo Gonçalves - Atualizado em 9 mar 2020, 18h29 - Publicado em 9 mar 2020, 18h15

O presidente da Frente Parlamentar Evangélica, o deputado Silas Câmara (Republicanos-AM), criticou nesta segunda-feira, 9, o escritor Olavo de Carvalho, considerado guru ideológico do governo Jair Bolsonaro, afirmando que ele está “muito desantenado da realidade”.

Trata-se de uma resposta a um post publicado por Olavo em suas redes sociais ema 4 de março, no qual ele diz que instituições como “igrejas evangélicas”, assim como “a Igreja Católica, o partido comunista, a maçonaria e as Forças Armadas”, são responsáveis por “tudo o que acontece de mau no Brasil” (confira abaixo o post na íntegra). O escritor ainda fez a ressalva de que essas entidades não são “necessariamente más”, mas que “demolir o prestígio” delas desarmaria “milhões de picaretas”.

O deputado federal Silas Câmara (Republicanos-AM) Michel Jesus/Câmara dos Deputados

“Coitado do Olavo, ele devia vir morar no Brasil para poder falar sobre o Brasil”, disse a VEJA Silas Câmara, líder do grupo parlamentar composto por 195 dos 513 deputados da Câmara. “O cara que não mora no Brasil, que está lá não sei onde nos Estados Unidos, vivendo outra realidade. Coitado, não sabe nem da história do Brasil, até porque a gente vive num país laico, num país que não tem nenhum tipo de vinculação de história política com presença de sectarismo religioso no poder, vem falar uma bobagem dessas. Tem que estar muito desantenado da realidade”, completou.

Silas Câmara afirmou ainda que quem atrapalhou o presidente foram “pessoas como o próprio Olavo, que fica lá dos Estados Unidos dando pitaco aqui, tentando semear um comportamento que, na cabeça dele, pode ser em defesa de alguma coisa. Mas, na minha cabeça, é mais para proteger uma tese filosófica dele que na prática não funciona”, completou.

Continua após a publicidade
Publicidade