Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Líder da bancada da bala teme que greve de PM se alastre e pede serenidade

Capitão Augusto (PL-SP) diz que carreira policial vive precarização, mas que a frente parlamentar que lidera é contrária 'a qualquer tipo de paralisação'

Por André Siqueira
21 fev 2020, 12h36

Presidente da Frente Parlamentar de Segurança Pública, grupo de congressistas conhecido como “bancada da bala”, o deputado federal Capitão Augusto (PL-SP) disse temer que o movimento dos policiais militares do Ceará, que realizam um motim desde a terça-feira 18, se alastre para outros estados do país. “Estamos monitorando e preocupados com a situação da Polícia Militar do Ceará, em especial de esse movimento alastrar para as PMs de outros estados”, diz em nota.

Capitão Augusto destaca a falta de um piso nacional salarial como um dos fatores da precarização da carreira da categoria. “Infelizmente não temos sequer uma dotação orçamentária obrigatória para segurança, assim como ocorre com a educação e a saúde”, diz no texto. O parlamentar também destaca que uma eventual continuidade da paralisação dos policiais no Ceará impactará, além da segurança pública, o comércio, o turismo e o funcionamento de escolas e indústrias locais. Na quarta-feira 19, antes do senador Cid Gomes (PDT-CE) ser baleado, homens encapuzados em carros da Polícia Militar ordenaram que comerciantes do centro de Sobral baixassem as portas – algumas lojas só voltaram a abrir com a intervenção da Polícia Civil e da Guarda Municipal.

O deputado também afirma que a bancada da bala é contrária “a qualquer tipo de paralisação por parte dos policiais” e pediu “serenidade e responsabilidade para os líderes dos movimentos, mas também estamos solicitando reuniões com os governadores, presidentes da Câmara e do Senado para discutir o assunto”. A Constituição Federal afirma, no artigo 142, que “ao militar são proibidas a sindicalização e a greve”.

A paralisação dos militares cearenses remonta a dezembro do ano passado, quando policias e bombeiros militares ocuparam as galerias da Assembleia Legislativa do Ceará reivindicando um reajuste salarial. “Se não melhorar, a polícia vai parar”, gritavam os manifestantes. O governador Camilo Santana (PT) prometeu, então, enviar uma proposta de reestruturação de carreira, anunciada no fim de janeiro deste ano. De acordo com a proposta do governo, o salário policiais militares e civis, bombeiros e peritos forenses seria aumentado, progressivamente, até 2022, de 3,2 mil reais para 4,2 mil reais.

Diante da insatisfação da categoria, o Executivo estadual aumentou a proposta para 4,5 mil reais, mantendo os reajustes progressivos até 2022. No dia 13 de fevereiro, o governo anunciou o acordo com os militares, mas um grupo ligado a uma associação da categoria se manteve insatisfeito.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.