Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lava Jato: Zelada tentou esconder dinheiro da Justiça no exterior

Procurador explicou que ex-diretor movimentou dinheiro em Mônaco e na China, mesmo depois de deflagrada a operação da PF

O Ministério Público Federal detectou movimentações financeiras do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada no exterior mesmo depois do início da Operação Lava Jato – o que indica que ele estava tentando esconder da Justiça o dinheiro movimentado no esquema do petrolão, segundo o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, que integra a força-tarefa da Lava Jato. Além dos 11 milhões de euros (cerca de 38 milhões de reais) que mantinha em Mônaco, Zelada tentou enviar pelo menos 1 milhão de dólares (3 milhões de reais) para a China.

O ex-diretor foi preso nesta quinta-feira em sua casa, no Rio de Janeiro, durante a 15ª fase da Lava Jato, nomeada Conexão Mônaco. Segundo o procurador, essa fase encerra a análise das principais diretorias da Petrobras: já foram presos pela PF os ex-diretores Paulo Roberto Costa (Abastecimento), Nestor Cerveró (Internacional) e Renato Duque (Serviços). Costa acabou por selar acordo de delação premiada com a Justiça e hoje cumpre prisão domiciliar. “Ainda há muito, porém, a investigar”, salientou Santos Lima.

Leia também:

Lava Jato: Justiça nega pedido de liberdade para executivo

Justiça revoga prisão ex-executivo da Andrade Gutierrez

Testemunhas falam a Moro e complicam André Vargas

O procurador afirmou que ainda há crimes sendo cometidos na Petrobras, mas já não no nível das diretorias. “Recebemos diariamente notícias de fatos posteriores ao início da Lava Jato, sobre novas espécies de crime na Petrobras. Novos operadores surgem diariamente”, afirmou.

Santos Lima explicou que o fato de Zelada ter continuado a lavar dinheiro foi um dos principais motivos de sua prisão. “Houve remessa de dinheiro para bancos na China, o que indica continuidade criminosa”, afirmou o procurador. “Não há duvidas de que esse dinheiro é originário de corrupção”, prosseguiu.

O procurador ainda afirmou que a corrupção na Petrobras era institucionalizada e que a propina era cobrada pela simples celebração do negócio, como uma “corretagem”. De acordo com ele, o dinheiro era dividido hierarquicamente entre os funcionários das áreas que integravam o esquema, o que os corruptos chamavam de “divisão para a casa”. Santos Lima afirmou que há indícios de que Zelada recebeu dinheiro em contratos de aluguel de sondas. Zelada ocupou o cargo de diretor da petroleira de 2008 a 2012, como sucessor de Nestor Cerveró, que está preso no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, e já foi condenado em um dos processos da Lava Jato a cinco anos de prisão por lavagem de dinheiro.

(Da redação)