Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Lava Jato: Juiz antecipa depoimento de executivo que busca confissão

Executivo da Engevix quer admitir pagamento de propina para ser beneficiado em eventual condenação. Doleiro consegue direito de prestar novo depoimento

Por Daniel Haidar, de Curitiba 6 mar 2015, 14h35

O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba (PR), autorizou nesta sexta-feira que o diretor da Engevix Gerson Almada antecipe o depoimento que terá de prestar à Justiça como réu em processo por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e corrupção. O pedido da defesa de Almada foi feito com a justificativa de dar uma “contribuição relevante” para a ação penal. O site de VEJA apurou que a intenção é reconhecer o pagamento de propina em troca de contratos na Petrobras e demonstrar uma forma de colaboração com a Justiça.

Leia mais:

Delator diz que pagou propina a Duque em parcelas

Renan pede acesso a documentos que o citam na Lava Jato

O executivo também solicitou a mudança de testemunhas de defesa e informou que os novos depoentes podem viajar a Curitiba para serem ouvidos. A mudança dispensa videoconferências e agiliza o processo. No despacho, Moro considerou “louvável” a atitude dos advogados de Almada.

Disputa – Também nesta sexta-feira, o juiz autorizou que o doleiro Alberto Youssef preste novo depoimento na ação penal em que é acusado de lavar dinheiro em operações de comércio exterior em laboratórios de fachada. O pedido de um novo interrogatório foi feito sob a justificativa de que, quando foi interrogado no processo, ele ainda não tinha sido beneficiado com a homologação de um acordo de delação premiada, pelo qual ajudou nas investigações em troca de punição mais branda.

Mas, na verdade, o doleiro deve usar a oportunidade para fazer acusações criminais contra o doleiro Leonardo Meirelles, outro réu no processo. Youssef quer retaliar o antigo comparsa, porque Meirelles disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que Youssef escondeu bens da Justiça ao firmar o acordo de delação com o Ministério Público Federal. A defesa de Youssef acusa Meirelles de mentir e já sugeriu que ele seja preso por tentativa de tumultuar o processo.

Continua após a publicidade
Publicidade