Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Lava Jato: empresário fecha acordo de delação e é solto

João Antonio Bernardi aceitou devolver US$ 10 milões em obras de arte e pagar multa no valor de 1 milhão de reais

Por Laryssa Borges 26 out 2015, 13h42

O empresário João Antonio Bernardi fechou acordo de delação premiada e foi colocado em liberdade nesta segunda-feira, depois de o juiz Sergio Moro ter homologado a colaboração dele com a Justiça. Ele concordou em devolver 10 milhões de dólares em obras de arte e em imóveis, além de pagar multa no valor de 1 milhão de reais.

Bernardi é considerado peça-chave nas investigações porque pode implicar ainda mais o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. Segundo o Ministério Público, Bernardi pagou propina a Duque para favorecer a empresa que trabalhava, a multinacional italiana Saipem, interessada em contratos com a estatal.

Duque e Bernardi negociaram a contratação da Saipem para a obra de instalação de um gasoduto submarino da Petrobras para interligar os campos de Lula e Cernambi. No esquema que beneficiou a empresa, a Saipem apresentou, em agosto daquele ano, propostas inviáveis para a obra, mas ainda assim saiu vencedora do certame depois de influência direta de Renato Duque. Mensagens de e-mail em poder dos investigadores da Lava Jato apontam para a relação próxima entre João Bernardi e Renato Duque. Além de o executivo ter visitado o então dirigente da Petrobras “dezenas de vezes” ao longo de 2011, uma conversa telefônica entre os dois mostra que Duque era tratado como “mestre” pelo executivo.

Leia mais:

Na trilha da Operação Lava Jato

Em 2012, para ocultar fraudes antecedentes e dar ares de legalidade aos benefícios repassados a Duque, João Bernardi comprou em nome próprio ou em nome da empresa Hayley do Brasil, também envolvida na trama, obras de arte em favor do ex-diretor da Petrobras.

Renato Duque já foi condenado a 20 anos e oito meses por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro no processo que investigou desvios de recursos e pagamento de propina envolvendo quatro projetos da Petrobras – os gasodutos Urucu-Coari e Pilar-Ipojuca e as refinarias de Araucária (PR) e Paulínia (SP). Duque é réu em outro processo, o que apura o pagamento de propina para beneficiar a empresa Saipem, e já tentou fechar com o MP um acordo de delação premiada.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)