Clique e assine com até 92% de desconto

Justiça torna Delúbio Soares réu por crimes do mensalão em SP

O ex-tesoureiro do PT é acusado de receber 450 000 reais de origem ilícita das agências de Marcos Valério, apontado como operador do mensalão

Por Da Redação 1 ago 2012, 16h26

A Justiça Federal em São Paulo abriu processo criminal contra o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares por lavagem de dinheiro no caso do mensalão. A decisão é do juiz federal Márcio Ferro Catapani, da 2ª Vara Criminal Federal em São Paulo, que aceitou no dia 6 de julho a denúncia do Ministério Público Federal (MPF). A ação é fruto de um desmembramento da investigação do processo do mensalão, que começa a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira.

Delúbio é acusado de receber 450 000 reais de origem ilícita das agências de publicidade do empresário Marcos Valério, apontado como o operador do mensalão. O dinheiro chegava a Delúbio por meio de um esquema fraudulento que envolvia o Banco Rural.

A denúncia da procuradoria afirma que “as empresas de publicidade obtinham recursos de forma fraudulenta” por meio de “dois esquemas diferentes”: “empréstimos fictícios do Banco Rural” e “contratos celebrados com órgãos da administração direta e indireta”. “Recebiam, mas não prestavam o serviço contratado”, diz a denúncia da procuradoria.

Leia também:

Mensalão: como o escândalo implodiu o núcleo duro do PT

Os trâmites do julgamento e o que pesa contra cada réu

A procuradoria de São Paulo cita a denúncia principal do caso ao afirmar que “as agências de publicidade repassavam os recursos ilicitamente obtidos a representantes do Partido dos Trabalhadores, entre outros, seja para apropriação pessoal de seus membros, seja para repasse a membros congressistas da base aliada, a fim de obtenção de apoio ao poder executivo”.

De acordo com a acusação, o Banco Rural participou do valerioduto para ver “atendidos seus interesses econômicos perante o governo, entre eles obter influência ilícita para aquisição do Banco Mercantil de Pernambuco”.

A procuradora Ana Cristina Bandeira Lins afirma que os documentos confirmam a “materialidade e a autoria do crime”. “Depoimentos confirmaram o pedido de Delúbio Soares de saques dos cheques.”

Continua após a publicidade
Publicidade