Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Justiça nega habeas-corpus de Anthony Garotinho

Ex-governador do Rio passou mal na sede da Polícia Federal e foi encaminhado ao hospital Souza Aguiar, onde foi submetido a exames

Por Luisa Bustamante - Atualizado em 16 nov 2016, 23h01 - Publicado em 16 nov 2016, 22h55

A Justiça Eleitoral negou o pedido de habeas-corpus do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, preso na manhã desta quarta-feira pela Polícia Federal por suposto esquema de compra de votos em Campos dos Goytacazes. De acordo com o desembargador eleitoral Marco Couto, “não se vislumbra ilegalidade manifesta na decisão atacada (que determinou a prisão preventiva)”. A defesa de Garotinho irá recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral e ao Supremo Tribunal Federal.

Em prisão preventiva, Garotinho passou o dia na superintendência da Polícia Federal do Rio acompanhado de sua mulher, Rosinha Garotinho, atual prefeita de Campos, e da filha, a deputada federal Clarissa Garotinho. No início da noite, ele foi levado ao hospital municipal Souza Aguiar, no centro da cidade, depois de ter uma alta de pressão, segundo seu advogado, Fernando Fernandes.

O ex-governador está sendo submetido a exames na unidade coronariana do hospital, e seu caso é acompanhado também por seu médico particular. O advogado de Garotinho acusa o delegado da PF Paulo Cassiano de pressionar pela transferência do ex-governador para um presídio, contrariando “recomendações médicas”. VEJA apurou, porém, que um dos exames de Garotinho, o eletrocardiograma, apresentou resultado normal. Até as 22h30 desta quarta não havia informação se ele seria liberado do hospital.

Publicidade