Clique e assine a partir de 9,90/mês

Juiz quebra sigilo telefônico de pessoas ligadas à família Bolsonaro

Em ação de busca e apreensão, Ministério Público do Rio terá acesso a mensagens de celular de ex-funcionários do gabinete do filho mais velho do presidente

Por Thiago Bronzatto - Atualizado em 18 dez 2019, 15h49 - Publicado em 18 dez 2019, 11h23

O Ministério Público do Rio de Janeiro deflagrou uma operação nesta quarta-feira, 18, para realizar buscas e apreensões em endereços de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, e familiares de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro. Apesar de ocorrer um ano depois do início da investigação, a ação tem como foco identificar mensagens e registros de diálogos telefônicos dos suspeitos.

No mandado de busca e apreensão, expedido em 17 de dezembro, o juiz Flávio Itabaiana de Olveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio, autorizou o Ministério Público a ter “acesso a extração de qualquer conteúdo armazenado nos materiais apreendidos, inclusive registros de diálogos telefônicos ou telemáticos, como mensagens SMS ou de aplicativos WhatsApp”.

Com acesso a esse material, o Ministério Público poderá analisar todas as mensagens trocadas por ex-assessores de Flávio Bolsonaro nos últimos anos. A expectativa é que essas provas ajudem a elucidar as suspeitas envolvendo um esquema de “rachadinha” no gabinete do filho mais velho do presidente à época em que era deputado estadual no Rio de Janeiro. O Ministério Público desconfia que o senador recebia parte dos salários de seus ex-funcionários.

Em fevereiro, reportagem de VEJA mostrou que os personagens que poderiam inocentar (ou não) Flávio Bolsonaro tinham um ponto em comum: todos desapareceram. O único que foi localizado, quando questionado sobre transferências financeiras suspeitas realizadas para a conta de Queiroz, disse que não falava sobre o assunto — e se trancou em casa.

Continua após a publicidade

Em agosto, VEJA localizou Queiroz e revelou que ele vivia no Morumbi, zona sul de São Paulo, e o seu estado de saúde havia se agravado. Em 12 de dezembro, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro esteve no hospital Albert Einstein, na capital paulista, onde recebeu o resultado de um exame de colonoscopia que apontou que o câncer retirado de seu intestino voltou a se manifestar.

Publicidade