Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Juiz nega pedido de Haddad para anular liminar que invalida aumento do IPTU

Procuradoria municipal argumentou que não houve descumprimento à liminar por parte do prefeito.

Por Da Redação 7 nov 2013, 17h26

O juiz Emílio Migliano Neto, da 7ª Vara da Fazenda Pública, negou pedido da prefeitura e manteve a liminar que suspende o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em São Paulo a partir de 2014.

A Justiça também refutou solicitação da prefeitura para que a sanção da lei, publicada no Diário Oficial do Município na manhã de quarta-feira, não fosse considerada um descumprimento da decisão.

A decisão liminar de barrar a sanção do projeto aprovado na Câmara Municipal foi proferida na terça-feira. A ação foi impetrada em forma de ação civil pública pelo Ministério Público Estadual, que pediu para a corte rejeitar a aprovação da lei que aumenta o IPTU, decorrente de votação na Câmara Municipal feita de forma apressada, segundo petição do promotor de Justiça da Habitação e Urbanismo Maurício Antonio Ribeiro Lopes.

O esclarecimento de que não houve descumprimento da primeira liminar por parte de Haddad foi entregue pela Procuradoria do Município à Justiça na quarta-feira. Haddad disse não ter sido oficialmente comunicado. “O Diário Oficial tem hora para fechar” provocou.

No mesmo dia, a pedido do Ministério Público (MP), o juiz ampliou os efeitos da ação para suspender a lei sancionada, sob argumento que o prefeito descumpriu a decisão provisória anterior. De acordo com o juiz, “não haverá espaço para malabarismos jurídicos para se esquivar da aplicação da lei”.

Leia também:

IPTU de Haddad pune cidadão e evidencia anomalia tributária

Continua após a publicidade

Infográfico: Saiba de quanto será o reajuste do IPTU no seu bairro

Maquiavel: Datafolha aponta que 89% dos paulistanos são contra o aumento do IPTU

Esferas – Nesta quinta-feira, Migliano Neto afirmou que, “se houve ou não descumprimento de ordem judicial, no momento oportuno este Juízo decidirá”. Ele também negou o pedido da gestão municipal para declarar nulo o processo. O Poder Executivo municipal afirma que a ação civil pública, mecanismo usado pelo Ministério Público (MP) para ir à Justiça, não é o meio correto para suspender a lei. Isso só seria possível por meio de uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin).

“O excelentíssimo senhor prefeito, representante legal do Município de São Paulo, deve estar ciente de suas responsabilidades em todas as esferas (administrativa, civil e penal) em levar adiante um projeto de lei em que o representante do Ministério Público, que é o legítimo fiscal da lei, discute judicialmente, do ponto de vista formal, a legitimidade desse ato legislativo” diz o despacho.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês