Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Jovem acusado de pichar casa de João Doria é multado em R$ 5 mil

Manifestante escreveu a frase "SP não está à venda" no muro da casa do prefeito de São Paulo, no Jardim Europa

Por Da redação
Atualizado em 4 jun 2024, 19h03 - Publicado em 15 jul 2017, 22h38

A Prefeitura Regional de Pinheiros multou em R$ 5.000 o jovem de 23 anos que teria pichado a residência do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), na manhã deste sábado. O rapaz, cujo nome não foi divulgado, é acusado de ter escrito a frase “SP não está à venda” no muro da casa de Doria, no Jardim Europa, zona oeste da capital paulista.

A penalidade recebida pelo autor da frase é prevista na lei antipichação, sancionada por Doria em fevereiro. Além da multa, ele chegou a ser preso e levado para o 14º Distrito Policial (Pinheiros), mas foi liberado por volta das 14 horas.

Um foto da multa foi postada na página do prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias, no Facebook. “Sabem o ‘gênio’ que pichou a casa do prefeito João Doria? Pois é, levou uma multa de 5.000 reais da prefeitura regional de Pinheiros”, diz a postagem.

Continua após a publicidade

Mathias afirmou que o manifestante receberá a multa no endereço residencial que informou às autoridades. Segundo ele, o processo sofrerá um “trâmite burocrático”, porém, a penalidade estaria á garantida porque o rapaz foi pego em flagrante pela Guarda Civil Metropolitana (GCM). “Eu acho uma vergonha de gente que não tem o que fazer, pessoas que querem um confronto com o prefeito João Doria, o que não tem a menor necessidade”, disse.

Organizadora da manifestação durante a qual foi feita a pichação, a porta-voz do Levante Popular da Juventude, Natali Santiago, afirmou que o militante preso ainda não foi informado da multa pela prefeitura regional. “(A multa) é um absurdo para a juventude, que tem nessa forma uma pressão, de resistência”, disse. “Eles estão denunciando de forma aleatória, pegaram um militante que estava no ato e estão usando ele para denunciar e criminalizar o movimento”, disse. Durante a tarde, o muro de Doria foi repintado de branco por integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL).

Continua após a publicidade

Mais cedo, o prefeito publicou um vídeo em sua página no Facebook, no qual, com a pichação ao fundo, disse que não se intimidará com as manifestações.  “Queremos um Estado menor, mais eficiente, mais produtivo, menos corrupto e com menos espaço para ‘petralhistas’ e outros istas, que gostam de ganhar dinheiro público sem trabalhar. Por isso o programa de desestatização vai continuar”, comentou.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.